Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Zet gallery cria circuito obras de arte inspiradas nos 25 livros vencedores do prémio literário
Câmara de Guimarães ajuda a fazer inquéritos epidemiológicos disponibilizando técnicos superiores à Saúde Pública

Zet gallery cria circuito obras de arte inspiradas nos 25 livros vencedores do prémio literário

Município de Famalicão é Familiarmente Responsável

Zet gallery cria circuito obras de arte inspiradas nos 25  livros vencedores do prémio literário

Braga

2020-10-28 às 14h14

Redacção Redacção

O projeto “Arte, Literatura e Comércio Local” é um circuito artístico concebido pela zet gallery, que convidou 25 artistas a criar uma obra de arte inspirada em cada um dos livros e autores vencedores do Grande Prémio de Literatura dst. As obras de arte estão distribuídas por 25 estabelecimentos emblemáticos do comércio local bracarense, criando um roteiro artístico que valoriza a experimentação e vivência do quotidiano.

Arte, Literatura e Comércio Local” é o novo roteiro artístico que pode ser visitado até ao próximo dia 9 de novembro, no centro da cidade de Braga. A iniciativa, promovida pelo dstgroup e pela zet gallery, inscreve-se nas celebrações das bodas de prata do Grande Prémio de Literatura dst, que apresenta este ano uma programação especial que valoriza a leitura, os livros e os autores e promove o cruzamento de diferentes disciplinas artísticas com outros setores da vida económica e social.

O projeto “Arte, Literatura e Comércio Local” é um circuito artístico concebido pela zet gallery, que convidou 25 artistas a criar uma obra de arte inspirada em cada um dos livros e autores vencedores do Grande Prémio de Literatura dst. As obras de arte estão distribuídas por 25 estabelecimentos emblemáticos do comércio local bracarense, criando um roteiro artístico que valoriza a experimentação e vivência do quotidiano.

“Na extensão da cidade e do seu centro histórico, atravessado por algumas lojas com mais de um século de história, gerações de artistas plásticos e visuais e de escritores, são o exemplo de como, em sociedade, juntos somos mais fortes e de como a cultura é um campo complexo mas o único com um potencial de transformação da espuma dos dias em bolas de sabão e paraíso”, avança Helena Mendes Pereira, diretora e curadora da zet gallery, projeto para as artes visuais do dstgroup. A importância do setor cultural e artístico como parte integrante da economia e da sociedade é uma das bandeiras que tem marcado a práxis do dstgroup e da zet gallery e, por isso, sublinha “continuamos, durante este tempo pandémico, como sempre e como nas páginas do futuro que vamos escrever pelas nossas próprias mãos, a criar projetos e contextos de trabalho para os artistas de todas as áreas da criação”.

A experiência de visita e de compra no centro da cidade de Braga ganha assim uma dimensão cultural sem precedentes, através de um circuito artístico-literário que parte da Largo de São João de Souto e que une o Café Vianna ao Mercado de São João (Casa Centenária), passando pela Torrefação Bracarense, Casa dos Terços, Pereira das Violas, Centésima Página, Barbearia Vasconcelos, Livraria Bracara, Ferreira Capa, Frigideiras do Cantinho, Cardoso da Saudade, Franco Oculista, Remy Cabeleireiro, Cabeleireiro José Ayres, Bloom Flores e Eventos, Tubitek, Lavandaria Confiança, A Negrita, Chave D’ouro, Casa das Velas, Loja Janes Espaço Mulher, Retrokitchen, Brasileira Café, Vintage Alternative Store e pela Queijaria Central.

Para o responsável da Livraria Céntisma Página “é um autêntico privilégio colaborar com a zet gallery nesta iniciativa que assinala um dos mais importantes acontecimentos literários que acontece na cidade de Braga”, considerando ainda que “ao destacar 25 obras de artistas plásticos a partir dos 25 livros premiados ao longo destes anos, associa 50 obras de grande qualidade e apresenta-as ao público que vive e passa por Braga no mais democrático dos formatos: disseminado-as pela cidade em diversos tipos de estabelecimentos, criando um foco de atração inesperado, onde todos são protagonistas - a arte, a literatura, os diferentes espaços e, claro, a cidade de Braga”.

Por sua vez, a Vintage Alternative Store acredita que “o projeto preconiza a concretização do grande ensejo dos lojistas em tempo de pandemia, ao verem os seus espaços comerciais revigorados com estas 25 belíssimas obras inspiradas em 25 obras de literatura”. O contributo deste roteiro turístico é também valorizado pela Bloom, que abraçou a iniciativa desde a primeira hora, por acreditar no potencial deste projeto diferenciador na “promoção das artes, da dinâmica proporcionada entre as várias instituições e no intercâmbio com o público, que será seguramente positivo”.

Domingos Macedo Barbosa, presidente da Associação Comercial de Braga, enaltece o projeto artístico e reconhece a “capacidade do dstgroup de empreender, de inovar, de apoiar e de interagir com o mundo das artes e do conhecimento”, considerando-o “um exemplo de sucesso para a sociedade civil e um alerta para o Estado, que nem sempre tem sido capaz de dar às artes, à cultura e à inovação empresarial o devido valor que têm na promoção do bem-estar dos cidadãos e das comunidades”. O responsável sublinha ainda que “nunca devemos esquecer que a aposta na educação, na cultura e no desenvolvimento artístico ajudam a construir um futuro melhor para todos, um mundo mais justo, solidário, inclusivo e sustentável para as atuais e futuras gerações”, razão pela qual parabeniza o dstgroup e a zet gallery “pelo exemplar e virtuoso trabalho desenvolvido com a comunidade”.

25 anos de um prémio literário eternizado através de uma criação artística que será cedida à cidade de Braga

A par deste projeto artístico que junta 25 obras literárias, 25 artistas, 25 criações artísticas e 25 lojas, o dstgroup assinala um quarto do século do prémio com a inauguração de mais uma obra de arte em espaço público que será cedida ao município de Braga pelo grupo empresarial liderado por José Teixeira e fundador da zet gallery. Assinado por JAS, João Alexandrino, o multi painel de azulejos que conta a história dos 25 anos do prémio marcará o Largo de São João de Souto onde, há alguns de anos, se realiza a Feira do Livro de Braga e da qual o dsgroup é o principal mecenas. A inauguração está agendada para o dia 4 de novembro, data em que será também entregue ao poeta e ensaísta Fernando Guimarães o galardão da edição comemorativa do Grande Prémio de Literatura dst 2020, pela sua obra “Junto à Pedra”.

Instituído pelo dstgroup em 1995, o Grande Prémio de Literatura dst cedo se afirmou como um dos mais importantes no panorama cultural português, enquanto promotor da língua e dos autores portugueses de obras. O prémio, que rotativamente distingue o melhor da literatura nacional, ora em poesia ora em prosa, conta desde a génese com o crivo de Vítor Manuel de Aguiar e Silva, José Manuel Mendes e Carlos Mendes de Sousa, personalidades de reconhecido mérito que, ao longo de mais de duas décadas, têm assumido o desígnio de selecionar as obras vencedoras do prémio literário criado pelo dstgroup, um dos mais dinâmicos promotores da arte e da cultura em Portugal da atualidade.

“A oportunidade de levar a leitura para a economia através deste projeto, da instalação, em tempo de pandemia, de 25 obras de vinte e cinco artistas plásticos, em pequenos comércios mas muito visitados, enche-me de esperança e dá continuidade a um pensamento que tem décadas”, confessa José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do dstgroup. O também fundador da zet gallery considera que a economia e as finanças têm de falar de cultura e têm de entender o contributo da leitura nos modelos de negócio. “Através da leitura dos nossos escritores e dos nossos poetas assim como da consideração política, económica e financeira das artes dos nossos artistas entendidas como variáveis concretas a serem introduzidas nos modelos de cálculo dos orçamentos descobriremos muitos dos ângulos ocultos que nos limitam a inteligência e a imaginação e que nos limitam a liberdade”, frisa, considerando ainda que “sem Liberdade não há economia. Sem cultura, sem artes e sem a literatura na economia não teremos ganhos de competitividade, nem pessoais, nem empresariais, nem nas cidades nem no país e isso é anavalhar a nossa existência coletiva”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho