Correio do Minho

Braga,

- +
Universidade do Minho associa-se ao centenário de Victor de Sá
Plataforma gratuita permite auto-avalição da dor crónica

Universidade do Minho associa-se ao centenário de Victor de Sá

Manuel Moreira quer concretizar “quatro obras emblemáticas”

Universidade do Minho associa-se ao centenário de Victor de Sá

Braga

2021-10-14 às 06h00

José Paulo Silva José Paulo Silva

Victor de Sá completaria hoje cem anos. Definido como humanista lutador, leccionou no primeiro dia da Universidade do Minho, instituição que hoje volta a reconhecer os seus méritos.

O salão nobre da reitoria da Universidade do Minho, acolhe hoje à tarde a apresentação do livro ‘A crise do liberalismo e as primeiras manifestações das ideias socialistas em Portugal (1820-1852)’, de Victor de Sá, acto que assinala o centenário do nascimento do professor, historiador e opositor do regime fascista.
O livro constitui uma reedição da tese de doutoramento de Victor de Sá, defendida em 1969 na Universidade de Paris Sorbonne, enriquecido com estudos de enquadramento de Miriam Halpern Pereira, professora da Universidade de Lisboa, de Gaspar Martins, da Universidade do Porto, de José Viriato Capela, professor da Universidade do Minho e de Henrique Barreto Nunes, ex-director da Biblioteca Pública de Braga.
A obra é apresentada por Ramon Villares, professor emérito de História Contemporânea da Universidade de Santiago de Compostela, numa sessão presidida pelo reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro,
Com esta iniciativa, a reitoria da Universidade do Minho associa-se às comemorações dos 100 anos do nascimento do historiador Victor de Sá, falecido em 2003, evocando a sua memória e o seu legado.
Em 1991, a Universidade do Minho criou o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea, que cumpre este ano a 30ª edição.
Reconhecido como o mais prestigiado para jovens investigadores desta área, o Prémio é considerado de interesse cultural pela Secretaria de Estado da Cultura e apoiado por mecenas.
Sobre a obra que agora é reeditada, o próprio autor colocou-o no “lugar cimeiro” da sua “biografia intelectual”, justificando que “foi aprofundadamente estudada e intensamente sofrida”.
Escreveu Victor de Sá que foi “sofrida, bem entendido, no sentido fecundante de ter sido uma obra que a mim próprio obrigou a persistentes investigações e a longas reflexões que me conduziram à revisão de muitas perspectivas relativas à sociedade contemporânea portuguesa, isto é, à sociedade transformada pelas leis do sistema capitalista e dominada pela classe burguesa”.
Na opinião do historiador José Viriato Capela, que foi colega de Victor de Sá na Faculdade de Letras da Universidado do Porto, a publicação é “marcante da historiografia portuguesa dos anos 60” e teve edições em 1969 (Seara Nova), 1974, 1978, sendo agora reeditada pela UMinho Editora, uma “oportunidade para sublinhar os horizontes históricos e historiográficos deste trabalho”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho