Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
UMinho indica áreas para conservar bivalves em risco
Câmara de Barcelos atribui 245 mil euros para coletividades desportivas

UMinho indica áreas para conservar bivalves em risco

Hugo Vieira quer novas eleições no Gil

UMinho indica áreas para  conservar bivalves em risco

Ensino

2024-03-10 às 06h00

Redacção Redacção

Estudo liderado pela Escola de Ciências estimou os efeitos das alterações climáticas e das barreiras fluviais até 2100 e sugere áreas para conservar bivalves em risco na Península Ibérica.

Citação

Um estudo liderado pela Escola de Ciências da Universidade do Minho identificou áreas-chave na Península Ibérica para permitir, até ao fim do século, a conservação de seis espécies de bivalves de água doce em risco e de 29 espécies de peixes dos quais dependem para sobreviver.
“Essa interacção entre espécies deve também ser considerada prioritária nas políticas de conservação”, frisa o artigo coordenado por Janine da Silva e publicado na revista científica Global Change Biology.
Em nota à imprensa, a UMinho explica que o trabalho estimou o efeito das alterações climáticas e de barreiras artificiais (como barragens e açudes) no contexto ibérico. Até final do século prevê-se haver entre 173 e 357 barreiras artificiais a bloquear o movimento e a interacção das espécies estudadas e a sua procura de condições para sobreviver. Os investigadores defendem por isso algumas áreas a considerar nas estratégias nacionais e europeias de protecção da biodiversidade.
Janine da Silva investigou o tema na sua tese de doutoramento em Biologia Molecular e Ambiental, no Centro de Biologia Molecular e Ambiental da UMinho, envolvendo ainda cientistas das universidades de Lisboa, Porto, Sevilha e Navarra.
“O nosso estudo abre perspectivas para a conservação de bivalves e peixes de água doce ibéricos”, afirma. Aqueles bivalves utilizam algumas espécies de peixes como hospedeiros, nomeadamente para se reproduzirem. “É urgente garantir rotas de dispersão para rios e ribeiras com condições climáticas e ecológicas adequadas que assegurem a persistência das espécies nas próximas décadas”, sublinha o professor Ronaldo Sousa, orientador daquela tese doutoral e co-autor do artigo científico.
As alterações climáticas prejudicam a existência de habitats adequados para a sobrevivência de muitas espécies, bem como a existência de áreas que possam ser colonizadas no futuro. Os peixes que transportam bivalves acabam por ser bloqueados pelas barreiras criadas pelo ser humano, o que pode levar à extinção de espécies.
“É preciso investir na remoção destas barreiras ou, em alternativa, na translocação de espécies em risco para os locais adequados, a montante daquelas infra-estruturas”, nota ainda Janine da Silva.
O redimensionamento das áreas protegidas para adequar aos ecossistemas de água doce foi outra necessidade identificada pelos cientistas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho