Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
UMinho descobre novo método para armazenar energia
Representantes dos Estados Membros em Bruxelas visita Cluster das Energias Renováveis em Viana do Castelo

UMinho descobre novo método para armazenar energia

Projecto ‘ComPraça’ anima Mercado Municipal com encontros, conversas e exposições

UMinho descobre novo método para armazenar energia

Ensino

2021-05-15 às 12h27

Redacção Redacção

Método para armazenar energia com rapidez e densidade é inovação que pode ter aplicações em veículos eléctricos e dispositivos médicos.

A Universidade do Minho anunciou que uma equipa internacional liderada pelo seu Centro de Física conseguiu armazenar com eficiência pequenas quantidades de energia num condensador, que pode ser carregado/descarregado em nanossegundos. “Admite-se que esta inovação possa ter aplicações em veículos eléctricos e dispositivos médicos, entre outros”, realça a instituição em comunicado.
De acordo com a informação divulgada, a investigação em causa está em destaque nas redes do Consórcio Europeu de Infraestrutura de Investigação e saiu no ‘Journal of Materials Chemistry A’.

O projecto teve a parceria das universidades Estadual da Pensilvânia (EUA), Central Tamil Nadu (Índia), Abdelmalek Essaadi (Marrocos) e do Instituto Nacional de Física dos Materiais (Roménia).
“A transição urgente para a energia verde está a empurrar a agenda científica para desenvolver novas soluções de armazenamento de energia. As baterias são usadas principalmente para o fornecimento de energia estável e durante um longo período de tempo, devido ao seu lento processo de descarga. Por outro lado, os condensadores podem armazenar uma pequena quantidade de energia e serem carregados e descarregados rapidamente, na ordem dos nanossegundos. Este condensador pode assim ser usado em aplicações onde o fornecimento rápido de energia é necessário”, explica a UMinho.

A equipa científica verificou então que uma camada fina de um óxido cerâmico (dióxido de zircónio), com cinco nanómetros de espessura, acoplado com uma camada isoladora (óxido de háfnio e de alumínio), com dois nanómetros, armazena 54.3 joules por centímetro cúbico, com uma eficiência de 51%. Isso corresponde a um aumento de 55% da densidade de energia armazenada e a um acréscimo de 92% em termos de eficiência quando comparada com um condensador de dióxido de zircónio comum. “Desta forma, demonstramos que materiais ferroeléctri- cos à nanoescala, permitindo o armazenamento eficiente e de alta densidade de energia, são fortes candidatos para este tipo de aplicações”, diz o coordenador do trabalho, José Pedro Silva. Estes materiais à escala nanométrica são fabricados no Laboratório de Filmes Finos do Centro de Física da Escola de Ciências da UMinho, em Braga.
O estudo envolveu uma dezena de autores, incluindo ainda, do Centro de Física, Maria de Jesus Gomes, João Miguel Silva, Mário António Pereira e José Santos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho