Correio do Minho

Braga,

- +
Uma enchente na Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto
ABC/UMinho estreia-se hoje na I Divisão nacional feminina

Uma enchente na Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto

Encontros da Imagem oferecem 32 exposições em quatro cidades

Uma enchente na Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto

Vale do Ave

2019-08-20 às 18h13

Redacção Redacção

A XXII Feira de Artesanato e Gastronomia é, também, um local de negócio. “Em dia de abertura deste certame disse que este é um certame que acarreta um grande investimento do Município mas com um retorno imensurável e estou certo que, todos aqueles que estiveram na feira a fazer negócio estão plenamente conscientes da importância económica deste evento."

A XXII edição da Feira de Artesanato e Gastronomia e Mostra de Vinhos voltou a atrair milhares de pessoas ao Mercado Municipal, nos 5 dias de certame. De 14 a 18 de Agosto, os milhares de visitantes puderam degustar a melhor gastronomia e o vinho verde da região, comprar e contemplar o artesanato presente e assistir ao trabalho feito ao vivo por muitos dos artesãos.

“Qualidade dos produtos presentes evidenciada pelos visitantes do certame”.

O Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, mostra-se satisfeito com a adesão ao evento. “A cada edição temos mais visitantes a passar por este certame, muitos que vêm sempre, a cada edição, e muitos outros que, pelo passa palavra e pela publicidade, vieram pela primeira vez e, estou certo que adoraram e regressarão no próximo ano”. O autarca destaca o convívio como principal ingrediente de um certame que tem tudo o que é preciso para ser um sucesso. “Esta é uma aposta ganha que prima pelo convívio, pela confraternização, pelo reencontro, pela amizade, pelos laços que se criam e se fortalecem. Um certame rico nas amostras de artesanato que aqui se apresentam, com artesãos a trabalhar ao vivo e a demonstrar aos visitantes a forma meticulosa como cada peça é desenvolvida incutindo, ao mesmo tempo, a quem assiste, o gosto pela arte num saber fazer genuíno e que não se pode perder no tempo. Ao mesmo tempo, temos restauração de qualidade, com pratos tipicamente regionais que fazem as delícias dos visitantes que acompanham cada refeição ou degustação com o nosso vinho verde, um vinho de excelência produzido no concelho e que tem vindo, ao longo dos anos, a ganhar a qualidade exigida para o mercado nacional e internacional”.

A XXII Feira de Artesanato e Gastronomia é, também, um local de negócio. “Em dia de abertura deste certame disse que este é um certame que acarreta um grande investimento do Município mas com um retorno imensurável e estou certo que, todos aqueles que estiveram na feira a fazer negócio estão plenamente conscientes da importância económica deste evento. Criamos as condições, as melhores condições para atrair os visitantes com animação permanente, com espaços de artes, música ao vivo, espaços de lazer e estamos certos que fizemos um trabalho de excelência e contribuímos para que cada um, à sua maneira, usufruísse da melhor forma deste evento”.
De facto, este certame prima pelo negócio que é feito dentro do recinto pelos restaurantes, produtores de vinho, artesãos mas também pelo dinamismo que proporciona à vila de Celorico de Basto e a todo o concelho. “Este é um evento anual muito requisitado por locais, turistas e emigrantes que contribui para que a restauração do concelho, o alojamento e os diferentes serviços façam negócio com este dinamismo e esta afluência de gentes ao concelho” concluiu o edil Celoricense.

Susana Matos, emigrante em Metz, veio a Celorico de Basto para usufruir das férias de Verão em família e não perdeu a oportunidade de visitar a feira. “É muito interessante, tem coisas artesanais muito bonitas e de várias zonas do país, feitas ao pormenor. A gastronomia é deliciosa e os espetáculos musicais são muito divertidos. Vale muito a pena a visitar esta feira”.
Nos 5 dias de certame foram várias as intervenções musicais a animar os presentes com destaque para dois grupos oriundos do Luxemburgo, os Raízes do Minho e o Cancioneiro do Alto Minho, grupos constituídos, na grande maioria, por emigrantes mas também por Luxemburgueses. Pela feira passaram ainda os Tamegaitas, o Rancho Folclórico de Sta. Maria de Canedo, o Grupo de Cavaquinhos de Arnoia, o Rancho Folclórico “os Amigos do Castelo”, os Farrafanfarra, o Grupo de Concertinas “Viva Moreira”, o Grupo de Cavaquinhos de Arnoia, os Zamburra, os Somos Minho, os Amigos das Tainadas, os Antromilho, o Grupo de Concertinas “Viva Moreira”, os Gruilha e a Tuna de Arnoia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.