Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Tribunal repõe suspensão a professor por assédio a alunas da EB 2/3 de Nogueira
Município de Viana investe 7,1 milhões na compra de autocarros eléctricos

Tribunal repõe suspensão a professor por assédio a alunas da EB 2/3 de Nogueira

Entregues primeiros 24 cartões aos beneficiários do Programa Abem - Rede Solidária do Medicamento em Viana do Castelo

Tribunal repõe suspensão a professor por assédio a alunas da EB 2/3 de Nogueira

Casos do Dia

2024-06-25 às 12h31

Redacção Redacção

Docente vê confirmada pelo Tribunal Central Administrativo do Norte a suspensão de 90 dias, por assédio sexual a duas alunas. Factos remontam a 2018/2019 e ocorreram na EB2,3 de Nogueira.

Citação

O Tribunal Central Administrativo Norte (TCAN) decidiu repor a sanção disciplinar de suspensão por 90 dias aplicada a um professor de uma escola de Braga por assédio sexual a duas alunas, segundo o acórdão consultado pela Lusa.
Datado de 6 de Junho, o acórdão do TCAN revoga a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB), que tinha anulado aquela sanção disciplinar, aplicada pelo Ministério da Educação.
Os factos remontam ao ano lectivo 2018/2019, sendo as vítimas duas alunas, de 12 e 13 anos, de uma turma do 6.º ano da EB 2/3 de Nogueira, pertencente ao Agrupamento de Escolas Alberto Sampaio, em Braga.

O professor, que lecionava Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e que entretanto abandonou aquela escola, terá apalpado as nádegas a uma aluna quando alegadamente lhe tentava tirar o telemóvel do bolso de trás das calças. Além disso, também a olharia, recorrentemente, “de cima a baixo”. Um comportamento que repetiria com outra aluna, dirigindo também elogios ao seu aspecto físico e à roupa que envergava.
Foi aberto um procedimento disciplinar, no qual o professor, actualmente com 68 anos, admitiu que tentou tirar o telemóvel à aluna, mas negou qualquer contacto de teor sexual. Disse que a turma em questão era indisciplinada e que, por isso, eram necessárias regras “muito específicas”. Relevou os “comportamentos indisciplinados e irregularidades na assiduidade” das duas alunas queixosas.

No final do procedimento, foi aplicada ao professor a suspensão por 90 dias. O docente recorreu para o TAFB, que decidiu revogar a suspensão, por alegada insuficiência de provas. O Ministério da Educação, por sua vez, recorreu para o TCAN, que agora repôs a pena de suspensão por 90 dias.
Entretanto, o professor já tinha sido condenado, no processo crime, a um ano de prisão, com pena suspensa, por dois crimes de abuso sexual de crianças. “A condenação do arguido em processo criminal por certos factos não pode deixar de implicar a prova desses mesmos factos em processo disciplinar. O arguido praticou comprovadamente ilícitos disciplinares que igualmente constituem crime”, refere o TCAN.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho