Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Theatro Circo dá palco a actores especiais que “não sou eu nem sou o outro”
SC Braga luta hoje pelo acesso à final da Taça da Liga

Theatro Circo dá palco a actores especiais que “não sou eu nem sou o outro”

Europeu de Futsal Universitário traz a Braga 40 equipas

Braga

2019-01-11 às 06h00

Teresa M. Costa

Centro D. João Novais e Sousa apresenta, no próximo dia 25, às 21.30 horas, o espectáculo ‘Eu não sou eu nem sou o outro” em que os utentes mostram as suas capacidades para declamar poesia, dançar e outras artes, superando a sua deficiência mental

Os utentes do Centro D. João Novais e Sousa sobem ao palco do Theatro Circo, cumprindo o sonho de actuar na principal sala de espectáculos de Braga com um espectáculo que visa suscitar a reflexão em torna da existência humana.
“Eu não sou eu nem sou o outro” é um espectáculo construído a partir do poema 7 de Mário Sá Carneiro e que foi preparado para assinalar, o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, em Dezembro de 2017.
É através da arte, que vai desde a poesia à dança, passando pelo teatro e pelo vídeo, que os utentes do Centro D. João Novais e Sousa, em Braga revelam as capacidades ‘escondidas’ pela sua deficiência mental.
‘Eu não sou eu nem sou o outro” estreou, em Braga, em Dezembro de 2017, mas no mês passado levou os utentes do Centro D. João Novais e Sousa até Torres Novas no âmbito de um espectáculo de teatro inclusivo, numa digressão de dois dias que os deixou “em delírio” confirma a directora do Centro, Lucinda Vilaverde, que destaca o seu “comportamento exemplar”.
Sobre a actuação no Theatro Circo, Lucinda VilaVerde assume que “é a concretização de um sonho de utentes e técnicos” e sublinha que “esta tem tem que ser uma sala para todos”.
A primeira plateia esgotou no dia em que os bilhetes foram colocados à venda.
Uma empresa parceira da instituição adquiriu uma centena de bilhetes.
Em Dezembro de 2017, no Auditório Vita, foram feitas duas apresentações que tiveram bom acolhimento por parte do público em geral.
“Há muito tempo que andamos a defender que a inclusão é isto” sublinha a directora do Centro D. João Novais e Sousa que se congratula porque “a população começa a perceber que as pessoas com deficiência são capazes de fazer coisas maravilhosas se entender as suas capacidades e conseguirmos motivá-los”.
Lucinda Vilaverde lembra que o objectivo do espectáculo é levar a comunidade a reflectir e sensibilizá-la para as capacidades das pessoas com deficiência.
Para o espectáculo no Theatro Circo, foi alargada a participação a outros utentes, totalizando cerca de quatro dezenas de actores.
“Desde o primeiro momento, a vontade era levar todos os palco” assume Lucinda Vilaverde, salvaguardando os utentes que, pela sua situação, não conseguem participar.
Por parte de quase todos, “há um querer estar em placo e querer aprender” realça a directora.
O guarda-roupa foi enriquecido com a ajuda de uma empresa.
De resto, o Centro D. João Novais e Sousa conta com parcerias importantes que incluem os ‘Sons da Suévia’, que já participam nos bombos; da professora de dança e do formador de teatro, entre muitos apoios, que ajudaram a construir o espectáculo.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.