Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
“Terá de ser um SC Braga com identidade para levar a melhor”
Reforço de medidas nos lares é urgente

“Terá de ser um SC Braga com identidade para levar a melhor”

Faltam uma verdadeira soberania e liderança à União Europeia

“Terá de ser um SC Braga com  identidade para levar a melhor”

Desporto

2020-02-25 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Zé Nuno Azevedo, antigo lateral-direito dos arsenalistas, explicou ao Correio do Minho a postura que os Guerreiros devem adoptar para ultrapassar a oposição dos escoceses do Rangers.

A derrota pela margem mínima, ainda por cima com dois golos apontados fora de casa, abre boas perspectivas para que o conjunto orientado por Rúben Amorim possa ser feliz na partida da segunda mão marcada para amanhã. Pelo menos, essa é a ideia de Zé Nuno Azevedo, antigo jogador dos minhotos, actualmente treinador e comentador desportivo, que aceitou, ao jornal Correio do Minho, dar umas pistas sobre aquilo que o SC Braga pode fazer para levar de vencida a formação escocesa.

“O SC Braga deve praticar o bom futebol que apresenta e que demonstrou na Escócia. Ser uma equipa positiva, que vá à procura do jogo e depois tentar suster a competitividade e as competências do adversário, que são a sua intensidade de jogo e a sua capacidade ofensiva”, referiu, lembrando que os escoceses têm as suas virtudes.
“Tive a oportunidade de ver o Rangers no Estádio do Dragão na fase de grupos e foi uma equipa muito compacta, muito ligada e que conseguiu contrariar o FC Porto. Portanto, mesmo com boas perspectivas de passagem o SC Braga tem pela frente um adversário complexo, que pode chegar aqui a Braga e fazer um jogo competente e que complique a vida ao SC Braga”, frisou.

Para contrariar esses problemas, um dos segredos passa por apresentar uma entrada muito forte em jogo, mas não só.
“Outro dos segredos é não sofrer golos. Se o SC Braga ficar com a baliza a zeros creio que passará a eliminatória porque normalmente esta equipa marca golos e um dos segredos passa por, na procura pelos desequilíbrios no adversário, não se desequilibrar a si própria. Essa é a chave para esta segunda mão. Na teoria é muito fácil, mas há que ter a consciência de que pela frente, apesar de o futebol escocês não ser actualmente tão poderoso, o Rangers é efectivamente uma equipa competente e que pode chegar a Braga e fazer um jogo mais conseguido até do que aquilo que vimos há uma semana. Depende mais da capacidade do Braga de ser Braga e com isso impedir o Rangers de estar no jogo”, analisou o técnico que orienta a AD Oliveirense.

“Não há um Braga para defrontar a equipa A ou B. Só há um Braga”

Um dos grandes méritos de Rúben Amorim nos onze jogos que já leva como técnico principal do SC Braga tem sido o facto de, mesmo com algumas alterações provocadas maioritariamente por problemas físicos, a equipa demonstrar uma bela capacidade e dinâmica colectiva, independentemente de quem joga. Para Zé Nuno Azevedo, esse é, de facto um dos mérito que tem de ser reconhecido a Rúben Amorim, havendo, porém, outro factor que o colega de profissão destaca e quem, na sua opinião, sido fundamental para que o SC Braga tenha, até ao momento, conseguidos os resultados que se conhecem.
“O segredo maior é ter mantido a identidade em todo o lado e com toda a gente. Hoje, não há um Braga para jogar com o adversário A e outro para jogar com o adversário B. Há apenas um Braga e esse é um dos grandes méritos do Rúben”, salientou o antigo jogador do SC Braga, que abordou também a questão das alterações dos jogadores.

“Apesar das trocas de jogadores, as ideias e os princípios mantêm-se, mesmo sabendo todos que os jogadores não são iguais. Não é a mesma coisa, por exemplo, jogar com o Esgaio no corredor ou jogar com o Galeno. Não quer dizer que a qualidade não seja a mesma mas não têm as mesmas características e aqui ou ali pode ser diferente”, frisou, antes de acrescentar, repetindo a ideia de que a questão fundamental neste momento na forma de jogar do SC Braga é a ideia que o treinador implantou no seio do plantel e que é transversal a todos os jogadores, independentemente de quem jogue.
“A realidade é que há uma ideia de jogo, há uma ideia colectiva e independentemente dos que jogam o SC Braga está a responder da mesma forma, com as mesmas ideias e com a mesma ambição”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho