Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Teatro da Didascália estreia projeto sobre paisagem e memória de Joane
“Perdemos oportunidades na antecipação da 2.ª vaga e agora corremos atrás do prejuízo”

Teatro da Didascália estreia projeto sobre paisagem e memória de Joane

Fransérgio: “SC Braga joga de igual para igual com todos”

Teatro da Didascália estreia projeto  sobre paisagem e memória de Joane

Vale do Ave

2020-10-18 às 15h15

Redacção Redacção

Espetáculo-percurso Paisagem Efémera – natural e rural convida o púbico a descobrir in loco a paisagem exterior e “interior” da vila

As referências mais antigas à freguesia de Joane, em Vila Nova de Famalicão, datam o ano de 1065, ainda antes do período da formação da nacionalidade. A história desta vila, que pulsava em livros e páginas de jornais antigos, gerou um impulso criativo para ampliar “o que sempre esteve à vista de todos” e criar uma dramaturgia para espaço público. Paisagem Efémera – natural e rural, cujo primeiro ato se estreia dia 23 de outubro, em Joane, Vila Nova de Famalicão – a sua apresentação em maio teve de ser adiada devido à pandemia provocada pela Covid-19 –, é um espetáculo-percurso de 2,5 km, com a duração aproximada de duas horas.

O projeto explora a paisagem natural e rural de Joane e também a sua paisagem “interior”: as memórias, os segredos guardados entre paredes, os lugares sagrados e profanos. Durante o percurso, o público é convidado a deambular por entre discursos que ora falam de especificidades da geografia do território, ora das transformações de ordem social e económica que afetam a comunidade. Em cada espaço de Joane projetam-se as intervenções dos artistas a fragmentos, tornando-se a própria paisagem um cenário possível, naturalmente dotado das suas narrativas únicas. No final desta “viagem” por entre casas, ruas, baldios, rio e igreja pretende-se que o público reflita sobre a sensação de fragilidade e efemeridade do planeta, evidenciada pela situação pandémica que vivemos.

Paisagem Efémera – natural e rural conta com direção artística de Bruno Martins, tendo como criadores e intérpretes António Júlio, Margarida Gonçalves e Rui Souza. O projeto integra ainda dois formatos de partilha virtual de processos e conhecimento que contribuíram para o processo criativo: Conversas ao Pé da Porta e o podcast Áudio Derivas.

O projeto foi desenvolvido pelo Teatro da Didascália, tendo em vista a redução da emissão de gases com efeito de estufa para o ambiente, através da adoção de metodologias de trabalho sustentáveis.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho