Correio do Minho

Braga, quinta-feira

‘Tardes de Domingo’ ajudam a manter viva a tradição do folclore no concelho de Braga
Grande produção teatral assinala hoje a pré-abertura da Feira e Festas de S. Miguel

‘Tardes de Domingo’ ajudam a manter viva a tradição do folclore no concelho de Braga

Dia Europeu sem Carros com viagem gratuita no Funicular de Santa Luzia

Braga

2018-08-20 às 10h00

Miguel Viana

Ranchos folclóricos de Santa Cecília de Vilaça e de S. Mamede de Este actuaram ontem no Parque da Ponte no âmbito da iniciativa ‘Tardes de Domingo’, promovida pelo pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga.

As Tardes de Domingo ajudam a divulgar as tradições do concelho de Braga ligadas ao folclore. A opinião foi transmitida ontem pelos responsáveis dos ranchos folclóricos de Santa Cecília de Vilaça e de Este S. Mamede, que ontem actuaram no palco instalado no Parque da Ponte.

O evento é promovido pelo pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga.

O Rancho Folclórico de Santa Cecília de Vilaça encara a iniciativa como uma oportunidade para “divulgar a cultura e as tradições que eram implementadas pelo povo. Nunca é demais preservar isto”, disse José Luís, ensaiador do Rancho Folclórico de Santa Cecília de Vilaça.

O grupo subiu ao palco para dançar e cantar músicas do próprio repertório.

“Há sempre uma recolha de músicas que a gente faz e depois temos que nós próprios fazer uns pequenos arranjos, uns ajustes, ao nível de tocatas e coreografias”, explicou o ensaidor.

Durante a actuação, o rancho apresentou musicas e danças do Baixo Minho: O Pandeirinho (associado às festividades de S. João) e o ‘Rico Trigo’.

O Rancho Folclórico de Santa Cecília de Vilaça foi formado há cinco anos e é composto por cerca de 30 elementos, com idades entre os cinco e os 64 anos.

O Rancho Folclórico de Este S. Mamede participou nas ‘Tardes de Domingo’ por considerar que a iniciativa “é de louvar porque faz com que os grupos dos arredores tragam à nossa cidade as tradições deles, os usos e os costumes e o trajar do Baixo Minho”, indicou António Carvalho, presidente do rancho.

No palco, o grupo deu a conhecer os trajes da Encosta, de Sequeira, da Ribeira, de Capotilha e do Vale d’Este.

No que se refere à música, foi apresentado um repertório baseiado no ‘Bira’, o ‘Malhão’, ‘Chulas’ dançados no final dos trabalhos agrícolas.

“Trazemos aqui várias danças, como o ‘Bira Descansado’, o ‘Bira Serrado’, o ‘Bira de Roda’, ‘Bira de S. Mamede, o ‘Bira das Desfolhadas”, frisou António Carvalho.
O Rancho Folclórico de S. Mamede de Este tem 35 anos de existência e é formado por cerca de 30 elementos.

Na assistência estiveram cerca de duzentas pessoas, algumas das quais fizeram o ‘gosto ao pé’ com as actuações.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.