Correio do Minho

Braga, terça-feira

Solidariedade de vizinhos evita que família fique sem tecto
Guimarães: seniores de Guisande e Oliveira visitam Amendoeiras em Flor

Solidariedade de vizinhos evita que família fique sem tecto

Viana do Castelo incentiva utilização dos transportes públicos

Casos do Dia

2019-02-10 às 06h00

Marta Amaral Caldeira

Um fogo deflagrou, ontem, num apartamento na freguesia de Gualtar, em Braga. A família ficou desalojada durante algum tempo, sem necessidade de realojamento institucional.

Um incêndio deflagrou, ontem, ao início da tarde, num apartamento da Rua José Antunes Guimarães, em Gualtar, Braga. O aparato foi grande mas as chamas consumiram apenas uma das salas, mas o fumo causado ficou entranhado nas restantes divisões da habitação. A família ficou desalojada por algum tempo, já que as condições de habitabilidade não eram as melhores.
As chamas foram detectadas pelas 13 horas no segundo andar do número 146 de um edifício habitacional localizado naquela artéria de Gualtar.

Na origem das chamas terá estado um aquecedor, que provavelmente terá sobreaquecido e provocado chamas que se propagaram, causando transtorno à família. Os danos causados pelas chamas foram, apenas, materiais.
“Eu estava em casa e bateram-me a porta. Era a menina do andar de baixo a pedir ajuda e a dizer que a casa estava a arder. Pouco depois apareceu a mãe com a outra criança. Já não conseguimos descer por causa do muito fumo que estava a esoalhar-se e chamei os bombeiros”, disse ao jornal ‘Correio do Minho’ uma moradora do prédio, que se assustou com o sucedido no edifício.
Ao local do sinistro acorreram os Bombeiros Sapadores de Braga munidos de duas ambulâncias, um carro de fogo e uma autoescada. As ambulâncias e a autoescada acabaram por não ser necessários. No local esteve também a Guarda Nacional Republicana de Braga e Sameiro, que registaram a ocorrência.

Firmino Marques, vice-presidente da Câmara Municipal de Braga e responsável pela pasta da Protecção Civil, referiu que estava assegurado o realojamento caso fosse necessário, mas a família em questão indicou que iria resolver a situação por intermédio dos seus familiares.
Foi precisamente a solidariedade dos familiares e vizinhos da família em questão que impediu o seu desalojamento. Todos juntos, ergueram mãos à obra, e ajudaram a família a proceder à limpeza da habitação.

Deixa o teu comentário

Últimas Casos do Dia

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.