Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
SC Braga teve tudo na mão... mas decisão fica para Braga
Falta de testes deturpa números sobre infectados com Covid-19

SC Braga teve tudo na mão... mas decisão fica para Braga

Com Cemitérios encerrados, Junta de Merelim (S. Pedro) e Frossos presta homenagem aos entes queridos da população

SC Braga teve tudo na mão... mas decisão fica para Braga

Desporto

2020-02-21 às 06h00

Carlos Costinha Sousa Carlos Costinha Sousa

A velha máxima de ter o pássaro na mão e deixá-lo fugir... Na Escócia, os Guerreiros do Minho tiveram vantagem de dois golos, mas não conseguiram segurá-la e viram o Rangers dar a volta ao jogo.

Parecia que tudo se encaminhava para uma eliminatória decidida a favor do Sporting Clube de Braga e de forma tranquila. Os Guerreiros do Minho estiveram em bom plano, conseguiram construir uma vantagem de dois golos, mas depois deitaram tudo a perder, foram também infelizes e viram o Rangers FC dar a volta ao jogo e assegurar um triunfo por 3-2.
Os bracarenses entraram muito fortes em campo e, logo em seis minutos, já podiam ter-se colocado em vantagem por duas vezes, mas a falta de pontaria não permitiu a conquista dos golos. Logo no minuto seguinte, o Rangers também esteve perto do golo, mas sem eficácia.

Aos dez minutos, a primeira contrariedade para o SC Braga, com Wallace a lesionar-se, obrigando Rúben Amorim a fazer entrar Galeno. Nas a esta contrariedade, Fransérgio respondeu com um tiro a meio do meio campo ofensivo, que não deu hipóteses ao guarda-redes contrário. Estava feito o primeiro - um golaço - e o SC Braga podia encaminhar-se para um bom resultado nesta primeira mão da eliminatória.
Até ao intervalo o resultado não sofreu mais alterações, apesar de as duas equipas mostrarem capacidade ofensiva para criar perigo e estarem perto do golo, mas sem eficácia, também devido ao trabalho dos dois guarda-redes.
No segundo tempo, nova entrada forte dos bracarense, com Fransérgio a rematar à trave, o Rangers a conseguir responder com nova ameaça e, aos 59 minutos, um dos momentos do jogo: o estreante Abel Ruiz conduz até à entrada da área após calcanhar de Trincão e remata cruzado para o 2-0. Um resultado que parecia ter resolvido a partida a favor do SC Braga.

Três minutos depois, o guardião do Rangers, McGregor, evitou o 3-0 e, cinco minutos depois, o primeiro balde de água fria para os bracarenses. Hagi - filho do mítico romeno Gheorge Hagi, ex-glória do futebol europeu - apareceu para rematar de pé esquerdo e bater Matheus, relançando os escoceses no jogo.

Tudo tranquilo na mesma para os bracarenses, não fosse, aos 75 minutos, Aribo passar, com muita sorte nos ressaltos, por três arsenalistas para depois bater Ma-theus pela segunda vez. O empate era uma realidade e esperava-se que os bracarenes o mantivessem até ao final. No entanto, Hagi estava endiabrado e, com sorte à mistura, na marcação de um livre levou a bola a embater na barreira bracarense, traindo Matheus que bem se esticou, mas não conseguiu evitar o terceiro tento do Rangers, que acabaria por fixar, desta forma, o resultado final da partida.
Uma derrota, a primeira na era Rúben Amorim, que sabe a pouco, depois da vantagem que os bracarenses tiveram nas mãos, mas que deixa na mesma tudo em aberto para a segunda mão, sendo que a decisão vai ser mesmo tomada em Braga.

Micael Sequeira: “Custa a acreditar no resultado, mas está tudo em aberto”

Micael Sequeira assumiu o lugar principal debaixo dos holofotes na hora de fazer a antevisão da partida e voltou, ontem, no final do jogo, a fazê-lo na hora de analisar o que aconteceu. O adjunto de Rúben Amorim foi claro ao afirmar que o SC Braga foi algo infeliz, mas que deveria ter conseguido guardar melhor a vantagem que construiu.
“Eles arriscaram, a perder 2-0, com futebol muito directo. Mas o Matheus evitou muito bem algumas situações que eles criaram. Mas nós também tivemos várias situações para poder ampliar o marcador”, começou por referir o treinador dando, depois, mérito ao adversário pela sua reacção, mas lembrando que o SC Braga teve oportunidades para matar o jogo: “o Rangers teve muito mérito pela sua reacção, mas custa a acreditar que não conseguimos manter a vantagem e até para aumentar, face ao elevado número de ocasiões para marcar que tivemos”.
No entanto, apesar da derrota, Micael Sequeira lembra que tudo continua em aberto na eliminatória e mostra confiança de quie em casa, na próxima semana, o SC Braga vai conseguir o tão desejado apuramento: “está tudo em aberto. Mais uma vez acredito que vamos dar a volta na nossa cidade”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho