Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Ruas cheias e esplanadas lotadas na segunda fase do desconfinamento
Santa Maria de Geraz do Lima amplia cemitério

Ruas cheias e esplanadas lotadas na segunda fase do desconfinamento

Propostas do Orçamento Participativo de Barcelos em votação de 15 de abril a 5 de maio

Ruas cheias e esplanadas lotadas na segunda fase do desconfinamento

Braga

2021-04-06 às 06h00

Paula Maia Paula Maia

Abertura das esplanadas de cafés e restaurantes, assim com das lojas até 200 m2, levou milhares de pessoas às ruas da cidade. O bom tempo foi um bom aliado desta nova fase de desconfinamento, mas a apreensão está ainda bem patente.

O país deu ontem um segundo passo no desconfinamento e nas ruas de Braga o movimento fez lembrar os dias típicos de Verão, com as ruas cheias e as principais esplanadas do centro da cidade praticamente lotadas. Em segunda-feira de Páscoa, muitos bracarenses aproveitaram o dia de folga para fazerem algumas compras, aproveitando a aberturas das lojas que tiveram autorização para tal, nomeadamente os espaços até 200 m2 com porta para a rua.
O bom tempo que se fez sentir, com temperaturas altas para a época, convidou também a um passeio ou a um café em esplanada. Há muito tempo que as ruas da cidade não conheciam esta vivacidade, um facto que provoca também alguma apreensão. E foi precisamente este misto de sentimentos que o CM encontrou junto dos bracarenses e comerciantes entrevistados no dia que marcou a segunda fase do desconfinamento. A ânsia de regressar a uma normalidade possível surge lado a lado com o receio do aumento no número de casos e uma hipotética quarta vaga que obrigue a um novo retrocesso.
Sameiro Fernandes e Silvério Magalhães aproveitaram o dia de sol para tomar o seu primeiro café numa das principais esplanadas na Avenida Central que reabriu com todas as medidas de segurança exigidas. “Já estávamos a precisar disto. Foi muito tempo em casa”, revela Sameiro.
“Aproveitamos o bom tempo para fazer uma caminhada e tomar um café”, acrescenta Silvério. O sentimento de liberdade é acompanhado também pela pre-ocupação com os possíveis efeitos desta nova abertura. “Que não venha a quarta vaga! O que queremos agora é aproveitar o bom tempo, um pouco de praia”, continua Sameiro, considerando que um novo confinamento deitaria definitivamente por terra parte da economia local. “Tenho pessoas na família que estão com muito receio de perder emprego”, confessa Sameiro. A bracarense diz que, na generalidade, as pessoas estão a cumprir com as regras de higiene e distanciamento, “embora se assista a casos de total desrespeito”.
Quanto a esta nova fase, o casal diz concorda com as medidas adoptadas pelo governo, mas considera que nos concelhos de maior risco esta reabertura deveria ter sido adiada. “Por exemplo no Algarve, em que o R(t) está no limite, não deveria desconfinar porque isto é como um puzzle”, remata.
Vítor Pacheco retomou ontem o antigo hábito de ler o jornal na esplanada. Apesar de ter saído de casa “praticamente todos os dias” para o “passeio higiénico”, o bracarense confessa que “é sempre bom” retornar a uma normalidade possível. Mas adverte: “é bom que as pessoas continuem a ter juízo, caso contrário daqui a algum tempo não estaremos aqui novamente”.
Vítor confessa que nesta fase “quando há muita gente na rua torna-se complicado”.
“Uns cumprem com as regras, mas outros não. Tenho muito receio”, diz o bracarense, referindo-se ao risco de contágio por Covid.
Concordando que é necessário desconfinar, também Jorge Queirós sublinha que todos os passos devem ser dados com cautela e que isso depende de cada um. “A educação cívica de cada um é fundamental”, diz.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho