Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Rio não vê vantagem na criação de Ministério da Coesão Territorial
Póvoa de Lanhoso disponibiliza água de qualidade exemplar aos munícipes

Rio não vê vantagem na criação de Ministério da Coesão Territorial

SC Braga quer fazer história em Bratislava

Rio não vê vantagem na criação de Ministério da Coesão Territorial

Braga

2019-10-18 às 08h00

Redacção Redacção

Presidente da CIM do Cávado, Ricardo Rio, considera que o novo Ministério da Coesão Territorial poderá ser um “auditor interno”, não vendo qualquer vantagem na sua criação.

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Cávado defendeu ontem que um ministério dedicado à coesão territorial poderá ser “uma espécie entidade auditora interna”, uma vez que a questão tem que ser “transversal a todas as áreas da governação”.

Em declarações à Lusa sobre a criação do Ministério da Coesão Territorial, que será assumido por Ana Abrunhosa, o presidente daquela entidade e também autarca de Braga, Ricardo Rio, afirmou não ver “qualquer vantagem” que o novo ministério “tutele directamente” as Áreas Metropolitanas (AM), CIM ou autarquias.

“A coesão territorial é um princípio tão fundamental quanto transversal a todas as áreas da governação, envolvendo políticas e recursos que tocam várias áreas de responsabilidade de ministérios existentes (do Planeamento e Gestão de Fundos Comunitários, às Infra-estruturas, à Administração Interna e Autarquias Locais, à Reforma Administrativa)”, apontou o autarca.

Segundo Ricardo Rio, estão em causa “políticas e recursos que não faz também sentido subtrair às áreas de responsabilidade originais sob pena de se perder a coerência da governação nessas esferas”.

Por isso, reflectiu, “o que um Ministério da Coesão poderá fazer, e não se cingindo apenas à dicotomia litoral/interior, mas atender ao todo nacional, é funcionar como uma espécie de entidade auditora interna ao próprio Governo que garanta que cada iniciativa não agrave as assimetrias regionais e antes contribua para uma maior equidade e coesão territorial”.

O autarca explicou estar a referir-se a “investimentos públicos, de modelos de gestão dos quadros comunitários, de programas de apoio à utilização de transportes públicos ou de medidas de reorganização da rede de serviços públicos no território”.
“Não vejo qualquer vantagem em que este ministério tutele directamente as AM, CIM ou autarquias, mas acho que pode abraçar como desígnio de legislatura o processo de regionalização”, referiu ainda.

O Ministério da Coesão Territorial é uma das novidades do XXII Governo Constitucional, apresentado na terça-feira por António Costa ao Presidente da República.
Catorze ministros mantêm-se à frente das mesmas pastas, existindo cinco novos ministros, o que, segundo fonte do executivo, representa um sinal de “estabilidade e de continuidade” em relação ao anterior elenco governamental.

O segundo executivo liderado por António Costa vai integrar 19 ministros, além do primeiro-ministro, o que o torna o maior em ministérios dos 21 Governos Constitucionais, e também o que tem mais mulheres ministras, num total de oito.
O Governo deve ser empossado pelo Presidente da República “na próxima semana”, em “data a determinar”, após a publicação do mapa oficial das eleições de 6 de Outubro e da primeira reunião do parlamento.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.