Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Ricardo Rio: “Transportes mais baratos foi só ideia para as grandes metrópoles”
Obras nas piscinas de Oliveira S. Mateus melhoram eficiência energética

Ricardo Rio: “Transportes mais baratos foi só ideia para as grandes metrópoles”

Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura

Ricardo Rio: “Transportes mais baratos foi só ideia para as grandes metrópoles”

Braga

2019-12-06 às 06h00

Redacção Redacção

Ricardo Rio, presidente da Comunidade Intermunicipal do Cávado critica o facto de a medida de transportes mais baratos ter sido pensada, apenas, para as grandes metrópoles.

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Cávado defendeu ontem que o Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes (PART) foi “pensado para as grandes metrópoles”, apontando o subfinanciamento como um “problema mais grave”, impedindo descontos noutros territórios.
O presidente da Comunidade Intermunicipal do Cávado (CIM-Cávado), Ricardo Rio, referiu que ainda não há “relatórios finais”, mas criticou a “falta de informação” sobre o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) para 2020, o que gera uma “incerteza preocupante” aos autarcas.

“Em primeiro lugar, recordar que o PART foi pensado para as grandes metrópoles. (O PART) teve uma dotação de 104 milhões de euros, sendo que desse valor 75% ficou na Área Metropolitana de Lisboa e, dos restantes 25%, metade foi para a área Metropolitana do Porto e os outros 12,5% para as 21 CIMs do país”, apontou o também presidente da Câmara Municipal de Braga.
Para Ricardo Rio, “é difícil neste momento ter uma ideia concreta sobre a aplicação do PART, pois ainda está em execução, e só quando forem elaborados os relatórios finais, em Fevereiro, será possível fazer uma contabilização mais precisa”.

No entanto, o autarca aponta desde já problemas ao referido programa: “O primeiro e mais grave é sem dúvida o subfinanciamento do programa, que impede em territórios como o nosso a implementação de descon- tos mais abrangentes e potenciadores do transporte público, como os passes intermunicipais disponibilizados pelas Áreas Metropolitanas”, enumerou. “Agrava-se esta situação pela falta de informação sobre o PART para 2020, relativamente ao qual não se sabe ainda se existirá e se cobrirá os 12 meses do ano, ao contrário dos nove meses de 2019. Esta incerteza é preocupante pois muitos municípios não têm disponibilidade para assegurar as reduções tarifárias com meios próprios”.
A Associação Nacional de Municípios (ANMP) alertou que os transportes públicos “entre regiões” mantêm preços sem as descidas previstas no PART, pelo que é “fundamental aprofundar” o projecto.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.