Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Região “tem tudo” para aumentar estada média dos turistas
Universidade do Minho adquire a biblioteca de Manuel António Braga da Cruz

Região “tem tudo” para aumentar estada média dos turistas

Bracarense José Lopes bate recorde nacional dos 1500 livres

Região “tem tudo” para aumentar  estada média dos turistas

Alto Minho

2019-09-17 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Ecoturismo no Minho foi o tema da conferência internacional realizada ontem nos Arcos de Valdevez. Mais trabalho em rede e necessidade dos operadores turísticos olharem para a região são “caminho a trilhar” para conquistar turistas por mais tempo.

A região do Minho “tem tudo e pode perfeitamente acompanhar os bons exemplos da Europa para conseguir fixar os turistas por cinco ou seis dias”. A garantia foi deixada ontem por Paulo Carrança, técnico de Turismo da Entidade de Turismo do Porto e Norte de Portugal, que participou na conferência internacional ‘Ecoturismo no Minho’, que se realizou nos Arcos de Valdevez. Para isso se concretizar falta “mais trabalho em rede” e que os operadores turísticos “olhem, finalmente, para a região”.
A conferência que se dedicou à temática ‘Ecoturismo no Minho - estratégias e perspectivas futuras para a sua internacionalização’, organizada pela In.Cubo, em parceria com a TecMinho e o apoio da Escola Superior de Desporto e Lazer do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) juntou alguns especialistas, tendo ‘chamado’ mais de 80 pessoas ligadas ao ecoturismo.

“A região tem tudo, tem o parque nacional, tem muitas empresas no terreno, tem muito investimento público, temos a questão da mobilidade resolvida, por isso, parece-me que é perfeitamente possível acompanhar os bons exemplos pela Europa e conseguir que as pessoas fiquem cinco ou seis noites neste território”, assegurou o técnico de turismo da Entidade de Turismo do Porto e Norte de Portugal.
O que está “em falta”, continuou aquele responsável, é o trabalho em rede. “Temos que conseguir captar, em termos de pro- moção, algumas experiências. E o certo é que também já se está a fazer algum trabalho nesse sentido com a própria Adere Peneda Gerês a participar em feiras e certames internacionais de turismo da natureza”, realçou Paulo Carrança.

Mas é preciso fazer mais. “Temos que conseguir que os grandes operadores olhem para a região de uma forma muito mais activa. Estamos a falar do mercado francês, alemão e espanhol”, sublinhou ainda aquele responsável, acreditando que “com o nível de satisfação dos turistas que passam na região é possível catapultar e criar resultados bastante assinaláveis”.
Presente na sessão de abertura da conferência, Sandra Sarmento, da Direcção Regional da Conservação da Natureza e Florestas do Norte, começou por explicar a nova orgânica criada naquele instituto. “Agora temos um director regional que também tem assento no conselho directivo, o que significa uma maior proximidade das regiões ao conselho directivo”, esclareceu Sandra Sarmento, destacando que com este novo funcionamento “é possível levar os problemas daqui e discutir em conjunto, facilitando a sua resolução”.

Por outro lado, o novo modelo de co-gestão “vem ao encontro destas vontades de proximidade, que é gerir em conjunto com os municípios e outros agentes no território”, adiantou ainda aquela responsável, acreditando que esta “gestão partilhada, colaborativa e de proximidade com o território é uma mais-valia para todos”.
Já o coordenador geral da In.Cubo, Francisco Araújo, justificou a temática da conferência porque o ecoturismo é um eixo estruturante no território minhoto”. Por isso, “é fundamental potenciar a componente ambiental como estratégia de desenvolvimento da actividade turística na região, que tem como base essa singularidade”.

Ecoturismo marca a diferença para criar “futuro com passado”

Com um “espaço de excelência reconhecido internacionalmente”, como o é o Parque Nacional da Peneda-Gerês, “é preciso ir mais além para que efectivamente o ecoturismo seja um impulsionador do desenvolvimento local e se crie um futuro com passado”, assumiu o presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, que participava ontem na conferência internacional ‘Ecoturismo no Minho’, desafiando os privados a reforçarem-se, porque só com “trabalho em parceria” é possível aproveitar o “elemento diferenciador” que a região tem.

A participar na conferência, promovida pela In.Cubo, em parceria com a TecMinho e o apoio da Escola Superior de Desporto e Lazer do Instituto Politécnico do Viana do Castelo (IPVC), João Manuel Esteves evidenciou “a necessidade de criar motivos e fontes de criação de rendimento para fixar as pessoas, mas também apostar em projectos que sejam impulsionadores de biodiversidade”. E se a “excelência ambiental” resulta da interligação do homem com a natureza, o autarca alertou para os movimentos demográficos. “As pessoas estão a sair daqui e temos que reequilibrar esta equação para esta paisagem continuar a ser o que é. Temos que ter bons motivos para que as pessoas possam ficar e, ao mesmo tempo, atrair mais turistas ao território”, defendeu.

E a par do trabalho realizado pelas entidades públicas, João Manuel Esteves destacou aqui a importância do sector privado. “Temos que consolidar a qualidade da oferta. Precisamos que o privado se reforce e, em parceria, possamos puxar pelo ecoturismo, que será, sem dúvida nenhuma, um pilar fundamental do desenvolvimento económico, social e cultural da região”, assegurou o presidente. E o responsável autárquico foi mais longe: “temos património ambiental e monumental, mas se não tivermos privados que garantam a sustentabilidade com alojamento, restauração e actividades não conseguimos nada”.
João Manuel Esteves aproveitou, ainda durante a sessão de abertura da conferência, para enumerar os vários projectos que já foram realizados e que estão a ser desenvolvidos para promover o ecoturismo.

Projecto ‘Lima Fronteira Esquecida’ avança até ao final do ano

O projecto transfronteiriço ‘Lima Fronteira Esquecida’, que une seis concelhos galegos e quatro portugueses, mereceu ‘luz verde’ do programa Interreg V e vai avançar até ao final do ano. Para o presidente da Câmara Municipal dos Arcos de Valdevez, João Manuel Esteves, este projecto vai permitir “dotar a Galiza e os municípios da Ribeira Lima (Arcos de Valdevez, Ponte de Lima, Ponte da Barca e Viana do Castelo) de uma verba superior a 1,6 milhões de euros para desenvolvimento de acções ambientais com fins turísticos.

“O nosso território é fortemente marcado pelas relações transfronteiriças e prova disso é que temos o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurés e a primeira Reserva da Biosfera, mas também temos outro património que nos liga que é o rio Lima. Fizemos uma candidatura exactamente para chamar a atenção para a necessidade de promover, em termos turísticos, e ser elemento e motivo agregador”, justificou o autarca. O nome do projecto não foi escolhido ao acaso, já que os municípios envolvidos consideram que “aquela fronteira não tem a mesma relevância que tem, por exemplo, o rio Minho”.
Em carteira estão um conjunto de actividades que vão ser promovidas em conjunto e tendo sempre o rio Lima como elemento agregador. “Vamos ter uma agenda comum com actividades dos dois lados da fronteira, potenciando sempre as enormes riquezas ali existentes”, adiantou o presidente da autarquia de Arcos de Valdevez.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.