Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Rede Transfronteiriça quer programa de investimento previsto na Cimeira Ibérica
Saber sofrer para sorrir no final

Rede Transfronteiriça quer programa de investimento previsto na Cimeira Ibérica

Associação Gerações vai apostar na formação para qualificar serviços

Alto Minho

2018-11-08 às 06h00

Redacção

No Fundão, onde reuniu em assembleia geral, a Rede Ibérica de Entidades Transfronteiriças defendeu que a Cimeira Ibérica deve aprovar a criação de um programa de investimentos para a resolução dos problemas territoriais das zonas de fronteira.

A Rede Ibérica de Entidades Transfronteiriças (RIET) defende que a Cimeira Ibérica a realizar este mês em Valladolid, Espanha, deve aprovar a criação de um programa de investimentos para a resolução dos problemas territoriais das zonas de fronteira. “Aquilo que se acordou aqui foi de pedir à Cimeira Ibérica que constitua um grupo de trabalho para reunir com a RIET no sentido de se trabalhar num programa de investimentos e num programa de acções concretas para resolver problemas de fixação da população”, afirmou José Maria Costa, presidente desta entidade.

José Maria Costa, que também é presidente das Câmara Municipal de Viana do Castelo, falava no Fundão, distrito de Castelo Branco, onde teve lugar uma assembleia-geral desta rede constituída por 32 organizações de proximidade à fronteira de Espanha e de Portugal.
Esta sessão foi realizada com o objectivo de analisar propostas a apresentar aos governos de Portugal e Espanha com grande enfoque nos problemas que impedem o desenvolvimento da zona de fronteira.

Entre as soluções que a RIET quer ver concretizadas estão, por exemplo, os investimentos na rede de infra-estruturas ferroviárias e em algumas rodoviárias, além das “políticas públicas” com vista à dinamização demográfica.
“A demografia nos territórios de fronteira atingiu o alerta vermelho e é preciso que haja um conjunto de políticas públicas, quer de um lado, quer de outro da fronteira, no sentido de se concentrar investimento em áreas que são importantes para o desenvolvimento dos territórios”, referiu José Maria Costa.
A questão da eficácia na resposta aos incêndios ou casos de emergência também integra as propostas que a RIET encaminhou para os governantes, com a reivindicação de que seja criada uma “entidade coordenadora transfronteiriça que pudesse tornar mais eficaz e mais rápidas as decisões”, evitando os vários patamares de decisão que se verificam actualmente.

Entre as propostas está ainda a necessidade de revisão para a Convenção de Valência, cujo pedido já tinha sido anunciado na segunda-feira e que foi reiterado pelos responsáveis, que consideram importante que aquele instrumento seja adaptado às novas realidades, às novas funções e às novas entidades de fronteira.
Na lista constam ainda “os pequenos passos e pequenas medidas” que a rede transfronteiriça considera importantes e que incluem a dinamização da actividade económica, a criação de oportunidades de emprego e de fixação de pessoas, bem como as questões da mobilidade, saúde e segurança.

Nesta sessão foi ainda deixada a ideia de que a Cimeira Ibérica terá de ser mais do que uma “reunião de amigos para almoçar” e que a cooperação entre os dois países tem de ir além da troca de medalhas entre os dois territórios, como tem vindo a acontecer.
Para a RIET, tem de se implementar uma diplomacia de proximidade, com troca de economia e de serviços: “Esta fronteira [entre Portugal e Espanha], que é a fronteira mais longa da Europa, merece uma diplomacia de proximidade, pelo facto de o relacionamento também ter de ser para as questões empresariais, autárquicas, académicas e de investigação das zonas de fronteira”, afirmou Xoan Mao, secretário-geral da RIET.

Este responsável também manifestou o desagrado sentido pelas entidades presentes por o ministro Pedro Siza Viera não ter estado presente nesta assembleia-geral, ao contrário do que aconteceu anteriormente com outros responsáveis pela tutela.
Anfitrião nesta sessão, o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, destacou a importância que a “causa comum” do desenvolvimento das zonas de fronteira pode ter não só no contexto regional e nacional, como europeu.
A RIET é um projecto nascido em 2009, constituído por organizações municipais, empresariais e educativas perto da fronteira de Espanha e Portugal. Actualmente, a RIET é constituída por oito associações empresariais, oito entidades transfronteiriças e dez universidades ao longo de toda a fronteira entre Espanha e Portugal.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.