Correio do Minho

Braga,

Quinta Pedagógica já pode crescer
IPCA: Cândida Machado assume direcção da Escola Superior de Gestão

Quinta Pedagógica já pode crescer

Vila Nova de Famalicão: Casa das Artes acolhe projecto ‘Orizuro’

Braga

2017-07-07 às 06h00

Patrícia Sousa

TERRENOS contíguos à Quinta Pedagógica de Braga já são pertença da Câmara Municipal de Braga. Segue-se agora a realização do projecto de alargamento deste equipamento que se quer que seja “uma referência na área pedagógica”.

O Município de Braga chegou a um acordo com o proprietário dos terrenos contíguos à Quinta Pedagógica de Braga com o objectivo de alargar a área. “Temos o acordo de cedência dos terrenos adjacentes e vamos aumentar a área da Quinta Pedagógica. Queremos integrar a ribeira de Crasto na quinta e vamos começar a elaborar o projecto de expansão”, garantiu, ontem, o vereador do Ambiente da Câmara Municipal de Braga, Altino Bessa, pretendo-se que este equipamento seja “uma referência na área pedagógica”.

Agora que os terrenos são pertença da Câmara Municipal de Braga, segue-se o trabalho dos serviços de topografia do município que vão delimitar o espaço e só depois começar a pensar no projecto. “O equipamento irá sofrer alterações para ser dotado de novas valências e dar resposta à grande procura que temos registado ao longo dos últimos anos”, adiantou ainda o vereador, referindo que “o investimento será sempre o que o Município de Braga quiser, me- diante o que se pretende construir aqui”.

E para Altino Bessa, que falava durante a apresentação do 1.º Festival de Verão, o objectivo “é fazer algo que mantenha a ruralidade do espaço e o contexto ambiental”, podendo-se aumentar a oferta e desenvolver novas actividades para atrair cada vez mais visitantes.
E o certo é que as instalações actuais já começam a ser exíguas para tantos pedidos. “Nos próximos três meses temos os sábados todos ocupados. Há cada vez mais procura”, afirmou.
Pretende-se, ainda segundo Altino Bessa, “tornar a quinta num centro interpretativo ambiental, com a integração da ribeira que poderá ser uma mais-valia a vários níveis”, chamando aqui possíveis parcerias com entidades como a Agência Portuguesa do Ambiente, a Quercus e a Universidade do Minho”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.