Correio do Minho

Braga,

- +
Quinta do Reguereiro vence a grande medalha de Ouro
Esposende comparticipa na compra de novo autocarro de Fão

Quinta do Reguereiro vence a grande medalha de Ouro

Cultura volta a sofrer com cancelamento de espectáculos em Ponte de Lima

Quinta do Reguereiro vence a grande medalha de Ouro

Nacional

2021-04-29 às 23h45

Rui Miguel Graça Rui Miguel Graça

O Alvarinho Reserva 2013 da Quinta do Regueiro foi o grande vencedor do concurso anual da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos verdes, que analisou cerca de 200 amostras em prova cega.

O anúncio dos vencedores aconteceu esta noite numa gala transmitida na internet, devido às restrições impostas pela Covid-19. A edição deste ano teve um aumento de inscrições nos vinhos inferiores a 2018, numa clara nota em torno da estratégia da região e do próprio potencial de guarda do vinho verde.O presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, Manuel Pinheiro, destacou esse facto, considerando que justifica "a estratégia de valorização definida para a marca Vinho Verde".

“Este concurso ganha particular expressão num ano de retoma em que os produtores de vinho carecem de incentivo e de reconhecimento pela sua capacidade produtiva e de promoção. São 150 motivos de orgulho que comprovam que a Região mantém um caminho de valorização e de crescimento que é alicerçado na excelente qualidade dos vinhos que são produzidos", asseverou ainda Manuel Pinheiro.

“Os Melhores Verdes 2021” | Grande Medalha de Ouro:
Quinta do Regueiro Reserva Alvarinho 2013

Os Melhores Verdes 2021” | Categoria Ouro:
Vinho Verde Branco | Quinta de Linhares Premium 2020;
Vinho Verde Rosado | Muralhas de Monção 2020;
Vinho Verde Tinto | Aguião Superior Vinhão 2020;
Colheita < 2018 | Quinta do Regueiro Reserva Alvarinho 2013;
Vinho Verde Loureiro | Pequenos Rebentos Escolha Loureiro 2020;
Espumante de Vinho Verde | Curvos Reserva Bruto Branco 2016;
Vinho Verde Alvarinho | Quinta do Regueiro Reserva Alvarinho 2020;
Vinho Regional Minho | Curvos Alvarinho 2020;
Vinho Verde de Casta | Quinta de Linhares Azal 2020;
Aguardente de Vinho Verde | Alvarinha Aguardente Vínica Velha;

“Os Melhores Verdes 2021” | Categoria Prata:
Vinho Verde Branco | Pecado Capital Escolha 2020;
Vinho Verde Rosado | Adega Ponte da Barca 2020;
Vinho Verde Tinto | Adega Ponte da Barca Premium Vinhão 2020;
Colheita < 2018 | Balão Alvarinho 2018;
Vinho Verde Loureiro | Quinta de Gomariz Colheita Seleccionada Loureiro 2020;
Espumante de Vinho Verde Branco | Muralhas de Monção Reserva Bruto Alvarinho 2015;
Vinho Verde Alvarinho | Quinta de Alderiz Alvarinho 2020;
Vinho Regional Minho | Nórtico Alvarinho 2020;
Vinho Verde de Casta | Abcdarium Arinto 2020;
Aguardente de Vinho Verde | Adega Ponte da Barca Aguardente Vínica Velha;



Entre cerca de 200 amostras em prova cega, o júri destacou uma dezena de vinhos na categoria Ouro e outra dezena na categoria Prata, com 131 referências a qualificar-se na categoria Honra. O total de 152 vinhos foi seleccionado por um júri constituído por Óscar Pereira (Direcção Regional da Agricultura e das Pescas do Norte), Luís Correia (Instituto Politécnico do Porto/ Escola Superior de Hotelaria e Turismo), Paulo Nunes e António Pina (Comissão Vitivinícola Regional do Dão), Manuel Pinto (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P.), Lisete Osório (Comissão Vitivinícola Regional Távora Varosa), Daniela Almeida (Comissão Vitivinícola da Bairrada), Paulo Lopes (Amorim Cork), dois elementos da Câmara de Provadores da CVRVV (Maria José Pereira e Bárbara Roseira), José Augusto Moreira (Jornal Público) e José João Santos (Revista de Vinhos).


O júri de 2021 provou cerca de 200 amostras a concurso, agrupadas em oito grandes categorias: Vinhos Verdes Brancos, Rosados, Tintos, de Casta, Colheita Igual ou inferior a 2018, Espumantes de Vinho Verde, Aguardentes de Vinho Verde e Vinho Regional Minho. Os prémios Ouro e Prata foram atribuídos ao primeiro e segundo classificados em cada categoria e os prémios Honra aos restantes concorrentes com pontuação igual ou superior a 80 pontos.

Recorde-se que “Os Melhores Verdes” são seleccionados em duas etapas, com todos os vinhos provados em regime de absoluto anonimato. Na primeira etapa (pré-selecção), a prova incide nos vinhos das categorias mais concorridas, cabendo ao júri escolher os dez melhores para a etapa seguinte. O júri de pré-selecção é constituído por quatro representantes da Junta de Recurso e três elementos da Câmara de Provadores da Comissão dos Vinhos Verdes.

A segunda etapa atribui os prémios Ouro, Prata e Honra aos melhores vinhos do ano e o júri que os elege é constituído por representantes da Região dos Vinhos Verdes, da Câmara de Provadores da Comissão dos Vinhos Verdes e de outras Câmaras de Provadores nacionais, de institutos de investigação, da Direção Regional de Agricultura, escanções e comunicação social.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho