Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Póvoa de Lanhoso continua a combater a vespa asiática
Há uma volta atrás ficou água na boca

Póvoa de Lanhoso continua a combater a vespa asiática

Lions Clube de Famalicão angaria bens alimentares para apoiar famílias carenciadas

Póvoa de Lanhoso continua a combater a vespa asiática

Cávado

2020-02-20 às 15h15

Redacção Redacção

A colocação de armadilhas na envolvente dos apiários, principalmente nos locais onde nos anos anteriores se observou a presença de ninhos de vespa asiática, é crucial para um combate eficaz e uma redução significativa de ninhos.

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso continua o combate à vespa asiática (Vespa velutina). Desta forma, entre  maio de 2019 e janeiro de 2020, foram identificados e destruídos cerca de 226 ninhos de vespa velutina. No mesmo período, foram registados 134 falsos alarmes, dado que eram ninhos inativos ou ninhos de vespa crabro, espécie autóctone.
A  Vespa velutina é uma espécie diurna, com um ciclo biológico anual, que apresenta a sua máxima atividade durante o verão. A partir de fevereiro, os ninhos ainda existentes encontram-se danificados e sem qualquer tipo de atividade, pelo que não há necessidade de serem destruídos. A nova época de combate terá início a partir de maio/junho.
Este combate pode ser feito através da deteção e destruição de ninhos ou através do impedimento da formação de novos. Os ninhos destruídos na Póvoa de Lanhoso continuam a surgir, na sua maioria, nas árvores em zonas rurais, mas também em telhados e interiores de habitações, anexos, muros e no chão.
A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso alerta ainda, em especial os apicultores, para a colocação de armadilhas, nesta altura do ano, para impedir a formação de novos ninhos e a proliferação desta vespa destruidora.
A colocação de armadilhas na envolvente dos apiários, principalmente nos locais onde nos anos anteriores se observou a presença de ninhos de vespa asiática, é crucial para um combate eficaz e uma redução significativa de ninhos.
As armadilhas deverão utilizar um isco à base de açúcares e proteínas e é importante que sejam o mais seletivas possível, sob pena de se capturarem muitos insetos não alvo, inclusive as abelhas, com as consequências que daí advêm. Na exterminação dos ninhos não devem ser usadas armas de fogo, pois este método só provoca a destruição parcial do ninho e contribui para a dispersão e disseminação da vespa asiática por constituição de novos ninhos.
A Câmara Municipal agradece à população e Juntas de Freguesia pela informação atempada da localização dos ninhos, assim como aos vários agentes que colaboraram na sua destruição.
É de registar ainda uma maior preocupação e informação da população em relação a este assunto, o que é essencial para a deteção dos ninhos, principalmente quando se trata de ninhos primários, que aparecem a partir de março/abril e cuja destruição permitirá reduzir a propagação da colónia.
A vespa asiática é prejudicial do ponto de vista ambiental e económico, porque aniquila a abelha europeia (Apis mellifera), produtora de mel, com todas as consequências que daí advêm: a diminuição da produção de mel e seus derivados; e a diminuição da polinização vegetal, pondo em risco a biodiversidade. De salientar, no entanto, que não se trata aqui de um risco acrescido para a saúde pública, pois os perigos que estas representam são idênticos aos das vespas autóctones.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho