Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Professora da UMinho lança livro sobre escritores dos PALOP
Antiga carruagem do funicular de Santa Luzia alvo de reabilitação

Professora da UMinho lança livro sobre escritores dos PALOP

Obras nas vias melhoram segurança rodoviária

Professora da UMinho lança livro sobre escritores dos PALOP

Ensino

2020-09-24 às 10h14

Redacção Redacção

Maria do Carmo Mendes aborda em ‘Africanidades Eletivas’ nomes como Mia Couto, Pepetela, Germano Almeida, José Craveirinha, entre muitos outros.

Maria do Carmo Mendes, professora da UMinho e especialista em literaturas e culturas africanas de língua portuguesa, acaba de lançar o livro ‘Africanidades Eletivas’. A obra, constituída por 22 ensaios e editada pelo Institute for Anthropocene Studies, é fruto de uma década de pesquisa e aborda nove escritores – o angolano Pepetela, os cabo-verdianos Germano Almeida, Arménio Vieira e Orlanda Amarílis e os moçambicanos Mia Couto, José Craveirinha, João Paulo Borges Coelho, Paulina Chiziane e Rui Knopfli.

O livro foca a ligação entre as literaturas e culturas portuguesa, africanas e brasileira, o silenciamento, ostracismo e marginalização das mulheres africanas nos contextos colonial e pós-colonial, a relação com a natureza, a emigração, o exílio e a identidade na diáspora e ainda aspectos como a utopia, a heterotopia e o fantástico, explica a professora do Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH) da UMinho.
Maria do Carmo Mendes refere, por exemplo, que o conto é o género mais bem adaptado ao legado da cultura tradicional africana, que o jazz contribuiu para a emancipação dos negros africanos, que Mia Couto metaforiza em animais selvagens uma humanidade da qual por vezes os humanos carecem, que as literaturas africanas suscitam leituras ecocríticas relevantes ou que os autores retratados abordam um futuro entre o esperançoso e o sombrio, marcado sobretudo por intromissões tecnológicas que abalam os ecossistemas.

O volume foi apresentado ao público na Feira do Livro do Porto, por Isabel Ponce de Leão, da Universidade Fernando Pessoa, que o considerou “de consulta obrigatória” para quem estuda línguas e culturas africanas, face ao seu rigor e à leitura fácil, sendo ainda “um abraço” a todas as comunidades lusófonas.
Maria do Carmo Mendes é doutorada em Literatura Portuguesa pela UMinho. Nesta universidade é, desde 1992, professora e investigadora do ILCH, no qual foi também vice-presidente entre 2016 e 2020. É ainda investigadora do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Universidade de Lisboa. Foi professora convidada na Universidade Linguística Estatal de Moscovo (Rússia) e na Universidade de Holguín (Cuba). Publicou ensaios sobre 15 escritores portugueses, como Luís de Camões, Almada Negreiros, Miguel Torga, Teolinda Gersão e José Régio, além de uma dezena de livros, como ‘Mito de Don Juan e Donjuanismo na Literatura e no Cinema’.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho