Correio do Minho

Braga, terça-feira

Prestação de contas espelha saúde financeira de Vila Verde
Redução do tecto máximo do valor das propinas “é marco histórico”

Prestação de contas espelha saúde financeira de Vila Verde

Em corrida ou caminhada é vital associar-se à luta contra o AVC

Cávado

2018-04-18 às 07h50

Redacção

Mandato autárquico 2013-2017 marcado por elevado investimento público e redução superior a 33% da dívida total. A câmara de Vila Verde discute, amanhã, o documento de prestação de contas.

A Câmara Municipal de Vila Verde discute e aprova, amanhã, o documento da prestação de contas respeitante ao ano económico de 2017 com elevadas taxas de execução e reveladoras de uma consolidação orçamental que permitiu a realização de investimentos fundamentais para o desenvolvimento sustentado do concelho, adianta o município.
A redução da dívida total em 2,9 milhões de euros, o pagamento a fornecedores em 13 dias, assim como o aumento exponencial da margem total possível de endividamento do Município de Vila Verde, sem des- corar o elevado investimento e salvaguardar das questões sociais, são outros dados revelados pelo documento apresentado pelo executivo social democrata vilaverdense.

Segundo a mesma nota do município, os dados que são apresentados nos documentos da Prestação de Contas relativos a 2017 demonstram o rigor colocado na elaboração do orçamento para este mesmo ano económico, evidenciado na elevada taxa de execução orçamental, ilustrando com os números do total da receita arrecadada que ascendeu a mais de 26, 5 milhões de euros e a despesa total cifrou-se em 25,8 milhões, o que corresponde a taxas de execução de 86,85% e 84,84%, respectivamente.
A gestão social democrata do Município de Vila Verde sublinha que, nestes documentos, fica igualmente demonstrado o cumprimento do princípio de equilíbrio orçamental consagrado no POCAL, dado que a receita corrente executada ultrapassou, em cerca de 3,7 milhões de euros, a despesa corrente executada, gerando assim uma poupança corrente que permitiu financiar parte das despesas de capital.

O ano de 2017 manteve a tendência de redução da dívida de médio e longo prazo tendo havido uma amortização dos respectivos empréstimos superior a 2,1 milhões de euros, dando continuidade ao rigor orçamental que tem vindo a ser implementado e tem estado na origem de uma muito significativa redução da dívida total do município.
Para António Vilela, as elevadas taxas de execução orçamental espelham uma gestão simultaneamente ambiciosa e realista, feita a pensar no equilíbrio das contas, mas sem comprometer o desafio da atractividade e da competitividade do território que recebeu um impulso em 2017 e que vai agora conhecer avanços da maior relevância com a execução de projectos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.