Correio do Minho

Braga, terça-feira

Presidente do Maria da Fonte diz que Complexo Desportivo é uma necessidade
Eixo Atlântico quer novo Tratado que responda aos desafios da cooperação

Presidente do Maria da Fonte diz que Complexo Desportivo é uma necessidade

Câmara Municipal de VIana do Castelo e Freguesias assinam protocolos e acordos de colaboração no valor global de 1.6 milhões de euros

Desporto

2017-07-16 às 15h18

Lurdes Marques

GALA DO SC MARIA DA FONTE ficou marcada pelo apelo lançado pelo presidente do clube, Armando Silva, no âmbito do 92.º aniversário.

A III Gala do SC Maria da Fonte, realizada na noite de sexta-feira, ficou marcada pelo apelo de Armando Silva, presidente da direcção, para que todos se unam em volta de um projecto para o clube: o complexo desportivo, apontado como uma grande necessidade.

O elevado número de atletas, mais de trezentos, obriga a que uma das equipas da formação do clube inicie o seu treino às 21h30. Armando Silva agradeceu à câmara municipal as excelentes infra-estruturas do Campo Municipal, mas apontou que são poucas e que “o clube necessita de mais”.

O projecto - a construção de um complexo desportivo - de acordo com Armando Silva, necessita de apoios, de um parceiro estratégico. “Só assim o Maria da Fonte pode continuar a crescer”, revelou Armando Silva, deixando um apelo a todas as forças políticas, a todas as individualidades presentes na Gala para que se unem em volta do Maria da Fonte e ajudem o clube.
“O Maria da Fonte necessita dele. Foi idealizado por direcções anteriores. A ideia não vem de agora. A direcção deparou-se com uma situação que tem ser resolvida”, apontou Armando Silva. O presidente marifontista revelou ainda que o Estádio dos Moinhos Novos, propriedade do clube, necessita de obras, algo que tem sido feito todos os anos, “remediando aquilo que não tem remédio”.

O projecto passa por um parceiro estratégico, que adquirirá um terreno, que ficará próximo da residência universitária. Caberá também a esse parceiro o investimento inicial. O estádio dos Moinhos Novos será uma das moedas de troca.

“O Maria da Fonte neste momento é uma escola de formação”, revelou o presidente marifontista, apontando que “é preocupante se não tivermos condições para acompanhar o desenvolvimento do clube”.

Os mais de 300 atletas na próxima época, divididos por várias modalidades, são sinal, de acordo com Armando Silva, de que “as pessoas que estão a trabalhar no clube estão a trabalhar bem”.
Armando Silva agradeceu ainda, em especial, a todas as equipas do clube, pois todas elas foram brilhantes, dando o seu melhor em prol da Póvoa de Lanhoso. Os ex-directores do clube não foram esquecidos pelo actual presidente da direcção, dado que “se não fossem eles, o clube não era o que hoje é”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.