Correio do Minho

Braga,

- +
Presidente da Câmara defende o encerramento das escolas
Benjamim Pereira: “Não abdicamos de nenhuma obra”

Presidente da Câmara defende o encerramento das escolas

“Política de proximidade” é aposta do executivo bracarense rumo ao desenvolvimento

Presidente da Câmara defende o encerramento das escolas

Vale do Ave

2021-01-15 às 08h30

José Paulo Silva José Paulo Silva

Paulo Cunha aceita como necessárias as medidas de confinamento aprovadas pelo Governo para as próximas semanas, mas admite que as escolares secundárias e superiores deveriam fechar.

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão entende que o Governo deveria ter avançado para o fecho das escolas no período de confinamento que hoje se iniciou. Ontem, no final da reunião da vereação, Paulo Cunha manifestou concordancia com as medidas tomadas no actual estado de emergência, defendendo, no entanto, que se deveria ter ido mais longe, nomeadamente com o encerralento das escolas secundárias e do ensino superior.
O autarca considerou que “o Governo esteve mal nesta matéria” e alertou que o funcionamento das escolas não impedirá a redução do número de utilizadores dos transportes públicos e até aumentará a concentração de pessoas nos espaços comuns dos estabelecimentos de ensino.
Por outro lado, o presidente da Câmara reivindicou medidas efectivas de apoio aos sectores comerciais e de serviços que vão ter de encerrar, alegando que, ao mesmo tempo que decreta o confinamento de determinadas actividades económicas, o Governo deve ter medidas de apoio.
“Estamos de confinamento em confinamento, de estado de emergência em estado de emergência, e nada mudou ao nível dos apoios. Continua-se a fazer o mais fácil: leis. Os portugueses devem reclamar do Governo os apoios que são devidos”, declarou Paulo Cunha.
A Câmara Municipal e a Associação de Restaurantes de Famalicão decidiram alargar a todos os dias da semana o serviço de entrega gratuita de refeições que funcionou, até agora, aos fins de semana. Diariamente, entre as 19h00 e as 22h30, os famalicenses podem encomendar o seu jantar num dos 66 restaurantes aderentes.
O serviço de entrega, sem custos para os restaurantes e consumidores, é válido para encomendas de valor superior a 10 euros, sendo o pagamento feito diretamente ao restaurante por MBWAY ou transferência bancária.
Este serviço foi implementado no dia 14 de Novembro e, até agora, já foram servidas em casa dos famalicenses 7 200 refeições, com a colaboração de 70 estafetas, oito dos quais taxistas.
A lista dos restaurantes aderentes está disponível em https:// www.famalicao.pt/restaurantes-de-famalicao-em-sua-casa.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho