Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
É preciso rentabilizar recursos do mar
Competitividade é chave para a retoma que se espera ainda em 2021

É preciso rentabilizar recursos do mar

Câmara de Braga constitui Conselho Municipal do Imigrante, Integração e Interculturalidade

É preciso rentabilizar recursos do mar

Nacional

2021-02-27 às 06h00

Redacção Redacção

Eurodeputada Isabel Estrada Carvalhais apelou ainda para o aproveitamento de excedentes para fins solidários.

Com o objectivo de optimizar a rentabilização dos recursos marinhos, a eurodeputada Isabel Estrada Carvalhais deixou esta semana um conjunto de questões na reunião da Comissão das Pescas do Parlamento Europeu.
Aproveitando a presença e partilha de informações da directora geral da DG MARE, Charlina Vitcheva, a deputada portuguesa dirigiu-se a esta responsável abordando a importância dos produtos das pescas para a alimentação. Enfatizando a relevância do consumo de pescado, nomeadamente para uma alimentação saudável, Isabel Carvalhais deixou recomendações para a campanha recentemente lançada pela Comissão Europeia, Taste The Ocean (Saboreie o Oceano).
“A verdade é que até agora esta campanha tem passado despercebida para a maioria dos europeus”, considerou, pelo que “é importante perceber de que forma a Comissão Europeia e a DG MARE poderão impulsionar a campanha”.
Para além de maior visibilidade a eurodeputada considera ser necessário que a iniciativa tenha o efeito pretendido e “leve os europeus a consumir mais pescado capturado de forma sustentável e diversificar as espécies consumidas”, contribuindo assim também para os objectivos da estratégia do prado ao prato.
Para além de realçar a necessidade de dar maior atenção ao papel dos produtos das pescas e da aquacultura na efectivação do Pacto Ecológico Europeu, Isabel Estrada Carvalhais questionou ainda a directora geral sobre a intenção de olhar para as obrigações de desembarque. Esta questão foi ao encontro da necessidade de combater o desperdício e “encontrar forma de as capturas que os pescadores não consigam evitar, poderem ser utilizadas para alimentação humana, nomeadamente em instituições de solidariedade social e bancos alimentares”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho