Correio do Minho

Braga,

- +
Póvoa de Lanhoso: Associação de Solidariedade Social, Integração e Saúde do Norte alarga apoios sociais à deficiência
Casa do Professor: Novo presidente quer fidelizar e captar associados a nível nacional

Póvoa de Lanhoso: Associação de Solidariedade Social, Integração e Saúde do Norte alarga apoios sociais à deficiência

Freguesia de Este terá novo Parque Infantil

Póvoa de Lanhoso: Associação de Solidariedade Social, Integração e Saúde do Norte alarga apoios sociais à deficiência

Cávado

2012-02-27 às 10h06

Redacção Redacção

Associação de Solidariedade Social, Integração e Saúde do Norte alarga o seu apoio à deficiência, com a criação de um novo complexo.

A Associação de Solidariedade Social, Integração e Saúde do Norte (ASSIS), sita na Póvoa de Lanhoso, vai construir um novo edifício de apoio à deficiência. A obra, onde serão investidos mais de 1,5 milhões de euros, deve arrancar brevemente, já que acaba de ser adjudicada. Deverá estar concluída no final de 2013.

O novo complexo contempla um lar residencial para 24 pessoas, uma residência autónoma para cinco, um Centro de Actividades Ocupacionais para 30 e, ainda, um Serviço de Apoio Domiciliário para 30 utentes.
“Estas respostas sociais vão permitir a integração/apoio de 89 cidadãos portadores de deficiência e o combate a situações de pobreza e de permanente risco de exclusão social e, por outro lado, vai contribuir para a criação de 48 postos de trabalho em diferentes áreas”, aponta a associação.

Este projecto é comparticipado em 75 por cento pelo Programa Operacional Potencial Humano e em cinco por cento pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Neste momento, a ASSIS assegura duas respostas sociais: um lar residencial, com capacidade para 18 utentes, e uma residência autónoma, para cinco.

A funcionar desde Abril de 2010, na freguesia de Lanhoso, Póvoa de Lanhoso, esta instituição acolhe pessoas com os mais variados tipos de deficiência, havendo vários casos de multi-deficiência e uma incidência da deficiência mental.
Este “alargamento” ao nível da sua capacidade de resposta “deve-se ao número crescente de pedidos de pessoas sem retaguarda familiar e que requerem cuidados especializados”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.