Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Politécnico de Viana do Castelo afirma-se como “parceiro de confiança, de capacidade e de excelência” junto do tecido empresarial
Vizela no segundo congresso iberoamericano de Turismo

Politécnico de Viana do Castelo afirma-se como “parceiro de confiança, de capacidade e de excelência” junto do tecido empresarial

Bês Guerreiros autoritários na montanha-russa de S. João Ver

Politécnico de Viana do Castelo afirma-se como “parceiro de confiança, de capacidade e de excelência” junto do tecido empresarial

Alto Minho

2021-10-21 às 06h00

Redacção Redacção

Grupo DISLab, que integra o polo do Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (CIAUD), instalado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, vai desenvolver projeto nos próximos dois anos

Analisar, identificar e monitorizar as entidades produtivas de distribuição e de comercialização existentes no tecido empresarial da região Norte, iniciando-se pela região do Alto Minho, é o que se pretende na primeira fase do projeto que avançou agora com o Grupo DISLab, que integra o polo do CIAUD - Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (FA . UL), instalado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC). “É determinante continuar a afirmarmo-nos como parceiro de confiança, de capacidade e de excelência”, defendeu Ermanno Aparo, um dos docentes que integra o grupo de trabalho.



“Orgulhosamente somos o único polo do CIAUD no Norte do país, sendo que estamos a falar do maior centro de investigação deste género na Península Ibérica”, destacou o docente da ESTG-IPVC, adiantando que este projeto, financiado pelo CIAUD, será desenvolvido por mais três docentes (Liliana Soares, João Martins e Luís Mota) e uma bolseira, que é aluna de mestrado (Fátima Costa). “O trabalho torna-se extremamente ambicioso”, confidenciou Ermanno Aparo, acreditando que o resultado desta primeira fase do projeto vai tornar-se numa “ferramenta importante para melhorar a interação entre a comunidade académica e o contexto empresarial”. O projeto terá a duração de dois anos e prevê ações conjuntas para “divulgar a capacidade produtiva das empresas e fomentar o papel estratégico do Design da ESTG- IPVC para o desenvolvimento da produtividade do Norte de Portugal”, assumiu.

Desenvolver um trabalho de monitorização e levantamento da atividade produtiva de pequenas e médias empresas no tecido no Norte, começando pelo Alto Minho, é o primeiro passo. “É imprescindível para o Design saber quais foram os parceiros, mas também quais são os futuros parceiros do território”, justificou o docente, esperando “criar pontes para potenciar a atividade de investigação e de desenvolvimento diretamente com as empresas ativas no território”.

No primeiro momento, explicou o docente e investigador, o resultado da primeira fase não será divulgado, já que servirá apenas para “melhorar o trabalho” que está já a ser realizado com os parceiros e determinar futuras ações. Para isso, já foi pedida a colaboração da Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC), ao abrigo do protocolo estabelecido com o IPVC, que irá facilitar, numa primeira fase, a relação com as empresas de cinco concelhos do distrito de Viana do Castelo (Viana do Castelo, Caminha, Valença, Vila Nova de Cerveira e Parede de Coura) e também irá fazer de ponte para o relacionamento com outras associações. “Muitas empresas já tiveram ou têm os nossos alunos a trabalhar e isso é motivo de satisfação para a nossa instituição, mas também queremos perceber se o trabalho dos nossos alunos foi bem feito e se está a proporcionar desenvolvimento”, referiu.

Depois de partilhar o resultado da primeira fase do projeto com as entidades, o grupo vai decidir as ações a desenvolver e os projetos de sensibilização para que se possa determinar a evolução desse trabalho. “Desta primeira fase do projeto vamos apenas divulgar pontualmente as estatísticas para perceber quantas empresas trabalham em Design Produto, e quantas têm Design. Numa segunda fase, vamos criar uma rede e dar ferramentas para esta rede comunicar”, explicou.

Com este projeto, o grupo DISLab quer conhecer estas empresas, que “estão em contínua transformação e também estão a viver um período crítico já que se tiveram de redimensionar e algumas até fechar, e ser o ponto de partida para se afirmar como parceiro de confiança, de capacidade e de excelência”.

A rede criada será importante para alimentar o desenvolvimento de trabalhos académicos e de investigação em Design desenvolvidos pelo polo do CIAUD no Instituto Politécnico de Viana do Castelo e irá complementar as informações existentes tornando-se uma ferramenta importante para melhorar a interação entre a comunidade académica e o contexto empresarial. “Começamos o trabalho com duas empresas a semana passada e o feedback é muito positivo porque as empresas estão a ver que este projeto é meritório e vai ao encontro das necessidades”, confirmou o docente, esperando que futuramente também será “mais fácil” encontrar parceiros.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho