Correio do Minho

Braga, sexta-feira

 'Pergunta ao Tempo' na Casa da Memória de Guimarães
Problema de motor condicionou Joana Barbosa no Rali Vidreiro

 'Pergunta ao Tempo' na Casa da Memória de Guimarães

Ana Bacalhau ao vivo no Theatro Circo apresenta em ‘Nome Próprio’

Ensino

2018-05-24 às 21h20

Redacção

'Pergunta ao Tempo' é um projeto de recolha de memórias desenvolvido pelas mãos das crianças do 4º ano dos 14 agrupamentos de escolas do concelho de Guimarães, num longo processo de investigação sobre o património cultural.+

A exposição 'Pergunta ao Tempo' regressa a 12 de Junho à Casa da Memória de Guimarães (CDMG), após o sucesso da 1ª edição, para apresentar ao público o resultado do trabalho desenvolvido ao longo do ano letivo que está a chegar ao fim.

'Pergunta ao Tempo' é um projeto de recolha de memórias desenvolvido pelas mãos das crianças do 4º ano dos 14 agrupamentos de escolas do concelho de Guimarães, num longo processo de investigação sobre o património cultural.
Em Junho, a programação da CDMG traz ainda atividades que já fazem parte da vivência da cidade Guia de Visita, Memórias da Memória e Domingos em Casa.
 
Às 10h, e depois novamente às 14h, do dia 12 de Junho, chega o momento da Casa da Memória de Guimarães se abrir de forma ainda mais especial à cidade e à comunidade com 'Pergunta ao Tempo', uma exposição que resulta de um longo processo de investigação que envolve as crianças, as suas famílias, professores e a comunidade local em torno do património cultural, na sua materialidade e imaterialidade.

Este projeto, que reflete sobre a memória e as formas como se representa, recolhe e trata, é desenvolvido pelas crianças do 4º ano dos 14 agrupamentos de escolas do concelho de Guimarães, envolvendo um total de 289 alunos e 14 professores. Assim, a partir de 12 de Junho, estamos convidados para conhecer os objetos, as histórias e os testemunhos recolhidos pelas crianças, que coabitam e dialogam com cada um dos núcleos expositivos da exposição permanente da Casa da Memória.
 
Volvidos dois anos desde o início do projeto, a Casa da Memória apresenta, agora, a 2ª edição desta exposição. Em 2017, a CDMG levou a cabo a edição inaugural do 'Pergunta ao Tempo' que foi encetado no início do ano letivo de 2016/2017, como resposta ao desafio de proximidade à comunidade escolar, lançado pela Vereação de Educação do Município de Guimarães. Esta nova exposição, aberta a todas as idades, poderá ser visitada até 30 de Setembro, das 10h às 13h e das 14h às 19h.
 
A programação do mês de Junho da CDMG inclui igualmente as suas atividades regulares que já fazem parte da vivência da cidade. Logo no dia 2 de Junho, pelas 17h, surge o Guia de Visita deste mês, Andreia Martins, que fundou e dirige a Associação Coolpolitics onde desenvolve e coordena projetos de capacitação cívica e política para jovens, bem como projetos na área da literacia para os media.

É igualmente consultora na empresa Comned.org fazendo a ponte entre a indústria vimaranense e o mercado holandês, onde se formou em Design de comunicação e onde trabalhou por mais de 10 anos. Veio para Guimarães em 2010 onde integrou a equipa de projeto, comunicação, relações públicas e internacionais da Capital Europeia da Cultura. É, agora, a guia de visita da CDMG de junho. Esta atividade tem participação gratuita e é aberta a todas as idades.
 
No dia 16, sábado, às 17h, a Casa recebe Patrícia Jerónimo para uma sessão de Memórias da Memória, numa conversa com o tema 'Direito individual ao esquecimento vs. direito coletivo à memória: como conciliá-los na prática?'. Patrícia Jerónimo é Professora Associada na Escola de Direito da Universidade do Minho, onde dirige o Mestrado em Direitos Humanos e leciona, entre outras disciplinas, Direito Comparado, Migrações e Refugiados, e Direitos Humanos e Diferença Cultural.

Nesta sexta sessão das Memórias da Memória, fala da tensão existente entre o direito individual ao esquecimento e o direito coletivo à memória. Ilustrada por um conjunto de decisões do Superior Tribunal de Justiça brasileiro a respeito de episódios ocorridos durante da Ditadura Militar, esta conversa detém-se na ponderação de interesses/direitos feita pelo Tribunal, tendo presentes as recentes notícias chegadas do Brasil, segundo as quais um significativo número de jovens brasileiros se mostra favorável à instituição de um regime militar no país. Este momento é reservado a maiores de 12 anos e a participação é gratuita, estando a entrada apenas condicionada ao espaço existente.
 
A 17 de Junho, às 11h, a oficina Domingos em Casa desafia-nos a 'Revestir a Casa', dando a conhecer um azulejo especial que pertence à coleção da Casa da Memória, para nos inspirar e, depois, fazer-se uma estampa em carimbo e criar, em conjunto, um grande painel de azulejos. Com flores, versos, formas geométricas e outros padrões personalizados.

Recorda-se que, no penúltimo domingo de cada mês, a Casa da Memória procura diferentes interpretações para factos históricos, tradições, lendas, pessoas, lugares ou objetos, que se encontram no espaço expositivo para, no aconchego da Casa, promover encontros entre famílias, amigos, gerações, artistas e artesãos. A participação nesta edição do Domingos em Casa, dirigida a maiores de 3 anos, tem o custo de 2 e é sujeita a inscrição prévia na CDMG até ao dia 14 de Junho.
 
É de recordar que, ao longo do ano, a Casa da Memória convida a explorar a exposição permanente 'Território e Comunidade', onde se pode encontrar histórias, documentos, factos e objetos que permitem conhecer diferentes aspetos da comunidade vimaranense através de um largo arco temporal.

Até ao dia 24 de Junho, é ainda possível conhecer a exposição temporária 'A Batalha Perdida. La Lys, 9 de Abril de 1918' programada no âmbito do ciclo de exposições temporárias 'Memento (Lembra-te)' que apresenta, cem anos depois da tragédia militar portuguesa em La Lys, uma pequena evocação da grande batalha a partir de fotografias dos arquivos do Imperial War Museum de Londres (imagens da Frente Portuguesa na Flandres) e da Coleção de Fotografia da Muralha (imagens dos regimentos de Guimarães), bem como de objetos e anotações de soldados vimaranenses de Infantaria que combateram na Primeira Guerra Mundial.
 
A Casa da Memória pode ser visitada de terça a domingo, das 10h às 13h e das 14h às 19h. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.