Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Novo quadro comunitário deve dar prioridade ao Corredor Atlântico
Eventos do Altice Forum Braga na lista dos Iberian Festival Awards 2020

Novo quadro comunitário deve dar prioridade ao Corredor Atlântico

Comissão aprova calendário de plano municipal contra incêndios

Novo quadro comunitário deve dar prioridade ao Corredor Atlântico

Alto Minho

2019-11-15 às 12h00

Redacção Redacção

José Maria Costa visitou Ferrol, na Galiza, onde teve oportunidade de referir a importância do Corredor Atlântico Europeu como uma prioridade no próximo período de programação comunitária.

Em Ferrol, cidade galega que visitou no âmbito das suas funções como presidente das Cidades Atlânticas, José Maria Costa, destacou a importância do Corredor Atlântico Europeu como uma prioridade no próximo período de programação comunitária.
Para o também presidente da Câmara de Viana do Castelo, o Corredor Atlântico é uma infra- -estrutura ferroviária de relevância para as cidades atlânticas com portos e infra-estruturas portuárias, permitindo uma boa conectividade entre estas e facilitando a instalação de infraestruturas de competitividade para as mesmas.
Ferrol é uma cidade portuária com uma longa tradição, desde o século XVIII, na construção naval, e desempenha um papel importante na construção das plataformas de suporte das energias renováveis oceânicas, pelo que o Corredor Atlântico “é de crucial importância para o seu futuro”, realçou durante a visita ocorrida anteontem.
José Maria Costa esteve reunido com o alcaide de Ferrol, Angel Mato Escalona, e participou num encontro com os diversos grupos políticos municipais. Durante a visita à Câmara Municipal local, o autarca vianense assinou o livro de ouro do con- celho de Ferrol.
O edil visitou depois as instalações de Navantia e o porto exterior de Ferrol. “Este é o maior projecto de energia renovável do atlântico europeu e o segundo no mundo, muito inovador, liderado pela empresa EDP Renováveis e que está a ter a colaboração de Ferrol para a construção das plataformas”, referiu José Maria Costa, recordando que as três plataformas flutuantes que vão ser instaladas ao largo da costa vianense terão uma potência de 25 megawatts.
As três turbinas que irão compor o parque eólico serão montadas em plataformas flutuantes amarradas ao leito marinho, para uma capacidade instalada total de 25 MW, o equivalente à energia consumida por 60 mil casas ao longo de um ano.
Recorde-se que, em Julho, foi no porto exterior de Ferrol que se iniciou a instalação da primeira turbina de WindFloat Atlantic na respectiva plataforma flutuante. No passado mês de Outubro, a primeira torre eólica flutuante do projecto Windfloat Atlantic, primeiro parque eólico da Europa continental, foi instalada a 20 quilómetros de Viana do Castelo, a 100 metros de profundidade.
A estrutura que saiu do porto de Ferrol corresponde à maior turbina eólica ‘offshore’ do mundo assente numa plataforma flutuante, sendo a primeira de três torres eólicas a instalar ao largo costa da de Viana do Castelo. Nesta altura, a segunda turbina está quase construída.
O WindFloat Atlantic utiliza tecnologia “de ponta” que vai permitir a instalação das plataformas flutuantes em águas profundas, antes inacessíveis, com o aproveitamento de abundantes recursos eólicos. Segundo o consórcio responsável pelo parque eólico flutuante, o projeto tem também o benefício de não depender das complexas operações que são necessárias para instalar estruturas tradicionais fixas ao fundo do mar, como nos parques eólicos ‘offshore’ tradicionais.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.