Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Norte Portugal/Galiza é a fronteira mais dinâmica entre os dois países
Mais de meia centena de assistentes operacionais reforçam apoio às escolas

Norte Portugal/Galiza é a fronteira mais dinâmica entre os dois países

Noites Musicais da Arcada celebram a cultura brasileira

Alto Minho

2018-03-12 às 06h00

Redacção

Apesar de a fronteira do Norte de Portugal com a Galiza ser a mais dinâmica, há problemas graves que ainda persistem e que necessitam de maior cooperação, diz a CCDR-Norte.

A fronteira do Norte de Portugal com a Galiza é a mais dinâmica entre os dois países, mas persistem problemas graves que carecem de maior articulação dos respectivos governos, assinalou a vice-presidente da comissão de desenvolvimento regional do Norte.
Este lado da fronteira entre Portugal e Espanha é o mais dinâmico de todos, destacou Ester Silva, vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e membro do Conselho Superior do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal (AECT GNP).
Este agrupamento, criado em 2008 e com o primeiro acto em 2010, permitiu àquela que foi a primeira comunidade de trabalho transfronteiriça em Portugal ter personalidade jurídica para formular um plano de atividades, conceber um orçamento e ter uma acção concreta sobre um território que abrange, segundo dados de 2015, 6,5 milhões de cidadãos.

Ao longo de quase dez anos, foi feito um trabalho de cooperação estratégica e de proximidade, tendo sido possível imprimir uma dinâmica de desen- volvimento que permitiu uma certa equiparação do Norte com a Galiza, assinalou a responsável.
Para além da criação de uma estratégia de especialização inteligente e de um plano de investimentos conjuntos, fazem parte das iniciativas levadas a cabo pelo AECT projectos como o IACOBUS de mobilidade académica na eurorregião, os Job Days de promoção de contratação de trabalhadores, o ARIEM para gestão conjunta de emergências na fronteira, o Programa Literário Nortear, entre outros.
Graças ao IACOBUS foi promovido, em 2017, o intercâmbio de 73 docentes, 35 investigadores e 19 funcionários administrativos. Já os Job Days de 2017 permitiram juntar empresas do sector das Tecnologias de Informação e Comunicação e celebrar 42 contratos de trabalho.

O sucesso do ARIEM levou à criação de uma nova edição, estando a ser preparado um plano para resposta conjunta a situações de emergência, como incêndios, e que deverá estar concluído no final de 2019.
Apesar de todo o trabalho, esta ainda é uma fronteira com problemas graves em termos de vulnerabilidades económica e demográficas, destaca Ester Sil- va, para quem as medidas que foram desenvolvidas até ao momento procuram contrabalançar essa tendência, embora não sejam suficientes.
Há várias outras matérias que têm de ser olhadas no âmbito transfronteiriço e que passam por uma melhor articulação entre os governos de Portugal e de Espanha, refere.

Região portuguesa tem que apanhar o comboio da Galiza

A vice-presidente da CCDR-Norte, Ester Silva, diz que, ao nível da Galiza e Norte de Portugal há constrangimentos que vão além daquilo que os governos locais ou regionais podem fazer e que exigirão um investimento e a atribuição de uma prioridade ao nível central.
Na sua opinião, há ainda níveis de desenvolvimento diferente, com a região espanhola já em transição, não sendo uma das regiões menos desenvolvidas, de acordo com os critérios da UE.
No caso do Norte, ainda somos uma região relativamente desfavorecida, lamentou Ester Silva, acrescentando ser por isso que o Norte tem, em alguns aspectos, condições mais apelativas, nomeadamente salários mais baixos e terrenos industriais com preços mais reduzidos, para empresas que, por isso, escolhem esta localização, em detrimento da Galiza. Não se trata apenas de uma questão de preço, diz, frisando que se o Norte não tivesse, agora, mais mão-de-obra qualificada do que no passado, a par de boas infraestruturas, esta deslocalização não acontecia. Mas quanto maior for a ligação em termos de cooperação com a Galiza, mais pode o Norte aprender e verter para o seu desenvolvimento.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.