Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Músicos solidários com Bombeiros Voluntários de Braga
Famalicão: Exercício de proximidade leva Paulo Cunha para novo ciclo de visitas ao terreno

Músicos solidários com Bombeiros Voluntários de Braga

Câmara de Famalicão investe 60 mil euros para instalar balcão dos CTT na Junta

Braga

2017-12-11 às 13h49

José Paulo Silva

Dez artistas da região animaram ontem à tarde o centro comercial Nova Arcada com um concerto solidário que se associou à actual campanha ‘Juntos somos heróis’, de angariação de sócios para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Braga. A iniciativa de elementos que integraram a lista ‘Nós, Cidadãos!’, candidata à Câmara e Assembleia Municipal de Braga nas últimas eleições autárquicas, foi acolhida de braços abertos pela direcção dos Bombeiros Voluntários, apostada numa campanha de angariação de associados que, de acordo com o presidente da direcção, António Ferreira, ainda não produziu os resultados esperados.

Dez artistas da região animaram ontem à tarde o centro comercial Nova Arcada com um concerto solidário que se associou à actual campanha ‘Juntos somos heróis’, de angariação de sócios para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Braga.

A iniciativa de elementos que integraram a lista ‘Nós, Cidadãos!’, candidata à Câmara e Assembleia Municipal de Braga nas últimas eleições autárquicas, foi acolhida de braços abertos pela direcção dos Bombeiros Voluntários, apostada numa campanha de angariação de associados que, de acordo com o presidente da direcção, António Ferreira, ainda não produziu os resultados esperados.

Lançada em Setembro de 2016, a campanha permitiu a adesão de cerca de dois mil novos associados, considerando António Ferreira que 20 mil seria “um número razoável”, atendendo à dimensão do concelho e a realidade de outras corporações da região.
Com a acção de ontem, os Voluntários conseguiram 35 novos sócios.
Durante o concerto de ontem, os Bombeiros Voluntários de Braga montaram dois stands para esclarecer pessoas interessadas inscreverem-se como sócios.

“Recordamos que não há jóia de inscrição e que a quota mínima que os Bombeiros cobram é tão pouco como 12 euros por ano, o custo de um café por mês”, salientaram os promotores do concerto solidário.
Ao Correio do Minho, o presidente da direcção da Associação Humanitária registou a mobilização recente da sociedade bracarense em torno de várias iniciativas de angariação de fundos a favor da corporação.

Com uma “gestão corrente equilibrada”, os Bombeiros têm necessidade de investir em novos equipamentos. Depois da aquisição de várias viaturas de transporte de doentes, a prioridade é, agora, a compra de equipamentos individuais de combate a fogos florestais e urbanos, revela o presidente da direcção.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.