Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Município de Braga mantém apoio à vacinação contra o rotavírus
Extraordinário concerto encerra Bienal Internacional de Flauta Transversal na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos

Município de Braga mantém apoio à vacinação contra o rotavírus

Oficinas de Criatividade homenageiam cientista nascido em Arcos de Valdevez

Braga

2018-11-06 às 06h00

Redacção

As famílias bracarenses até ao 3.º escalão, residentes no concelho, podem usufruir do Programa de Apoio à Vacinação Infantil do Município de Braga. Até ao momento já foram financiadas 465 vacinas.

O Município de Braga apoia as famílias bracarenses carenciadas na vacinação contra o rotavírus para as crianças até um ano de idade, comparticipando a vacina. O Programa de Apoio à Vacinação Infantil integra-se nas políticas de promoção da saúde, bem-estar e qualidade de vida do município bracarense e, desde que foi implementado em Abril de 2017, já financiou 465 vacinas, num investimento que até ao momento supera já os 26 mil euros.
O Programa de Apoio à Vacinação Infantil do Município de Braga prevê auxiliar as famílias carenciadas (beneficiários até ao 3.º escalão) que residam em Braga, custeando integralmente a vacina de todas as crianças até um ano de idade.

Para tal basta proceder ao pedido de comparticipação, que deve ser requerido pelos pais ou responsáveis legais no Balcão Único da autarquia (edifício do Pópulo), devendo apresentar também a respectiva receita médica da vacina a comparticipar, um atestado de residência emitido pela junta de freguesia e cópia da última declaração de IRS do agregado familiar.
Reconhecida como ‘Autarquia Familiarmente Responsável’ e sendo a coesão social o princípio essencial para o desenvolvimento integrado e sustentado de Braga, o Município de Braga prioriza as questões sociais na sua acção e intervenção por forma a atenuar as desigualdades, no sentido de uma Braga “mais coesa, inclusiva e participada”, justificando, por isso, este apoio à vacinação.
Uma vez que as vacinas contra o rotavírus não se encontram abrangidas pelo Programa Nacional de Vacinação, o custo das mesmas revela-se, muitas vezes, um factor “dissuasor” na decisão da sua aquisição, nomeadamente para as famílias mais desfavorecidas.

A gastroenterite aguda causada por rotavírus, um agente extremamente contagioso e resistente ao meio ambiente, é efectivamente uma patologia bastante comum nos primeiros anos de vida. No entanto, embora as vacinas contra o rotavírus sejam das mais frequentemente recomendadas pelos pediatras em Portugal, não se encontram contempladas no Programa Nacional de Vacinação; pelo que, ao abrigo do Regime Jurídico das Autarquias Locais, aprovado no Anexo I à Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, que consagra as atribuições do Município de promoção e salvaguarda dos interesses próprios das respectivas populações, dispondo de competências, designadamente, nos domínios da saúde e acção social.

Este Programa de Apoio à Vacinação inovador do Município de Braga vem complementar outras iniciativas e medidas já implementadas no terreno em benefício dos cidadãos como são disso exemplos os programas ‘Braga a Sorrir’, o ‘Pimpolho – Programa de Prevenção da Ambliopia’ ou ainda o serviço de teleassistência a idosos.
As vacinas contra o rotavírus são comercializadas em Portugal desde 2006. No mercado existem duas marcas diferentes, mas o resultado é equivalente, refere o site do Infarmed. Uma das marcas exige duas doses, no valor de 71,08 euros cada e outra exige três doses, no valor de 51,18 euros cada.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.