Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Mudar comportamentos com ações sobre o impacto dos plásticos no ambiente
“Bienal tem sido uma rampa de lançamento para os jovens”

Mudar comportamentos com ações sobre o impacto dos plásticos no ambiente

Câmara mantém disponibilidade para ceder Confiança

Mudar comportamentos com ações sobre o impacto dos plásticos no ambiente

Vale do Ave

2020-10-17 às 23h22

Redacção Redacção

Instalações desenvolvidas por artistas vimaranenses e expostas em espaços públicos da cidade de Guimarães.

Arrancou a primeira fase do projeto “Aqualastic: educar, reduzir e valorizar”, no âmbito da Green Week Guimarães, com uma exposição fotográfica, uma instalação artística e arte urbana.

“Aqualastic: educar, reduzir e valorizar” é a designação do projeto que resulta de uma candidatura do Laboratório da Paisagem e da Extruplás ao Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e da Transição Energética, que pretende sensibilizar a população para a excessiva utilização de plásticos de uso único e para o seu impacto nos ecossistemas, nomeadamente nas linhas de água.

“Todas estas ações pretendem contribuir para a redução do impacto dos plásticos nos ecossistemas e decorrem de uma ampla estratégia municipal de redução de plástico que tem vindo a ser desenvolvida. Recorde-se que Guimarães assinou, em 2019, no Fórum Ambiental da EuroCities, um compromisso para redução da utilização de plásticos de uso único”, referiu a vereadora do Município de Guimarães e presidente do Laboratório da Paisagem Sofia Ferreira.

“A presença dos resíduos de plástico nas nossas linhas de água é uma realidade que ninguém pode esconder. Mostrar o resultado das nossas ações diárias pode ser o melhor caminho para mudarmos comportamentos”, explicou Nuno Silva, investigador do Laboratório da Paisagem e responsável pelo projeto. Foi com esse objetivo que convidamos dois fotógrafos para retratarem a ainda triste realidade dos rios Selho e Ave, em Guimarães. O resultado são 10 fotografias, agora reveladas na exposição “Rios de plástico, que estará patente na Rua Dr. Avelino Germano, em pleno Centro Histórico de Guimarães.

Na zona de Couros, incluída no Bairro C, foram desenvolvidas quatro instalações pelos artistas vimaranenses Nelson Xize e Nuno Machado, que aceitaram o convite para dar expressão ao flagelo da poluição marinha, onde cerca de 90% do lixo de plástico é proveniente dos rios. O resultado são quatro trabalhos extraordinários que vão surpreender os vimaranenses, nas ruas da Ramada, de Vila Verde, São Francisco e Avenida D. Afonso Henriques.

Já no Chafariz do Toural, o designer e criativo vimaranense Pedro Teixeira, criou a “Fonte da vida”, uma intervenção artística que pretende transmitir a ideia de como os plásticos e o excesso de consumo afetam o ambiente. A intenção é não só alertar para a importância da reciclagem, mas principalmente para a reutilização das embalagens e para o consumo sustentável. Mais do que estética, importa criar emoções e despertar consciências.

Estas são algumas das propostas do projeto Aqualastic, do qual constam ainda propostas de criação de um protótipo de uma “EcoBarreira” numa das linhas de água urbanas de Guimarães e de filtros personalizados para a retenção de resíduos em sumidouros de águas pluviais.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho