Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Moradores querem ser compensados pelo impacto ambiental das energias renováveis
Guimarães Rua António da Costa Guimarães reabre hoje ao ao trânsito

Moradores querem ser compensados pelo impacto ambiental das energias renováveis

Narcóticos Anónimos: um recurso para recuperar a vida livre de drogas

Nacional

2015-02-10 às 00h13

Redacção

Estudo, pioneiro em Portugal, é coordenado por Lígia Pinto, da Escola de Economia e Gestão da UMinho

A Universidade do Minho coordena o primeiro estudo nacional para determinar o valor monetário dos impactos ambientais da instalação de centrais eólica, hídrica, fotovoltaica ou de biomassa. A meta é que o Governo passe a integrar o valor monetário daqueles impactos sobre o bem-estar das populações locais quando decidir investir em projetos semelhantes.
 
A chamada “valoração ambiental” é comum nos EUA, quer nas decisões do Governo como dos tribunais. Na UE há recomendações nesse sentido, mas a sua aplicação é incipiente, diz Lígia Pinto, professora da Escola de Economia e Gestão da UMinho e coordenadora da investigação “Valoração económica dos impactos ambientais de energias renováveis”, apoiada pela FCT e pelo Compete-QREN para 2012/15.

A instalação deste tipo de estruturas está normalmente sujeita a um estudo de impacto ambiental baseado na opinião qualitativa de especialistas.

“O que propomos é apurar uma medida monetária dos impactos ambientais, isto é, perguntamos à população local o quanto estaria disposta a ser compensada e, ao público em geral, quanto estaria disposto a pagar para evitar cada tipo de impacto num quadro multi-atributo”, realça a docente. “O nosso estudo não diz aos decisores se é mais eficiente investir nas renováveis por contraponto a outras. O objetivo é fornecer mais um elemento para integrar a decisão política”, justifica a cientista do Núcleo de Investigação em Microeconomia Aplicada.
 
Da “floresta de ferro” ao “gigante de betão”
 
O estudo decorreu nos parques eólicos da serra d’Arga (Caminha), das Terras Altas de Fafe e da serra da Padrela (Vila Pouca de Aguiar), bem como nos parques fotovoltaicos da Amareleja (Moura), Brinches (Serpa) e Ferreira do Alentejo, nas barragens da Bemposta e Picote (Douro internacional) e na barragem prevista para Almourol (Vila Nova da Barquinha), além de algumas centrais de biomassa dedicadas (florestal). O trabalho incluiu inquéritos nacionais, entrevistas presenciais, grupos de foco e recorreu a métodos de economia experimental, entre outros.
 

Em termos de conclusões preliminares, os residentes identificaram impactos negativos daquelas estruturas, sobretudo para a fauna e flora locais. Nas eólicas, as populações do Norte, alvo de maior concentração de aerogeradores, sentiram-se mais incomodadas pelo ruído e impacto visual. “Sentem alguma justiça em ser compensados por viverem junto a algo que produz benefícios ambientais para todos”, assinala a economista. Nas fotovoltaicas, os moradores acham que devem ser ressarcidos dos impactos provocados em particular pelo reflexo da luz e pela ocupação do espaço: “Na Amareleja, chamam-lhe a ‘floresta de ferro’, pois havia ali um olival”. Sobre as barragens, designadas por “gigantes de betão”, as opiniões divergem: “Dizem que altera a paisagem e reduz áreas agrícolas, patrimoniais e de lazer, mas atrai em simultâneo turismo”, esclarece Lígia Pinto. No caso de Almourol, em discussão pública, a maioria dos populares “até desconhecia estar em zona que poderia eventualmente ser alagada”.
 
Seguem em anexo fotos de Lígia Pinto e de algumas instalações.
 

*** Nota do Gabinete de Comunicação, Informação e Imagem da Universidade do Minho ***

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.