Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Monção resgata 12 de Março para celebrar o seu feriado municipal
SC Braga prepara jogo decisivo europeu com o Zorya

Monção resgata 12 de Março para celebrar o seu feriado municipal

Manuel Ribeiro vence concurso de Fotografia Ambiental

Alto Minho

2018-03-13 às 06h00

Marta Amaral Caldeira

Um dia de festa. Assim foi ontem que a vila de Monção celebrou o seu feriado municipal, tendo novamente resgatado o dia da outorga do foral por D. Afonso III, a 12 de Março de 1261, como a data mais simbólica para ser celebrada neste dia.

Foi ao som da Banda de Música de Monção que começaram, ontem, as cerimónias oficiais de celebração do Dia de Monção, precisamente no dia em que foi atribuído o foral à vila pelo rei D. Afonso III em 1261. Acredito que que seremos capazes de transformar Monção!, afirmou o autarca Anónio Barbosa, na sessão solene do feriado municipal, mostrando um punhado de projectos que se prepara agora concretizar, a fim de tornar a vila mais moderna e mais atractiva.
Em dia de festa, a Câmara Municipal de Monção decidiu atribuir o mérito municipal a três empresas do concelho, fazendo notar que o seu crescimento se deve precisamente ao empenho dos empreendedores locais.
A Casa Agrícola de Monção e Melgaço, a Provam e a Casa Minhotinha foram agraciadas com as medalhas de mérito municipal, que foram entregues pelo presidente da Câmara Municipal, António Barbosa e pelo representante da Assembleia Municipal.

O autarca de Monção resgatou a data simbólica para celebrar o feriado municipal que, a seu ver, deve estar ligado ao nascimento do concelho - esta, aliás, foi uma das suas primeiras medidas na câmara, considerando que este é, acima de tudo, um dia histórico para Monção, um dia de afirmação da nossa identidade colectiva.
Com os olhos postos no passado, mas a pensar já no futuro que quer mais risonho e mais activo para a vila, o presidente da câmara elogiou que Monção é um local extraordinário para residentes e para visitantes, destacando a simpatia, hospitalidade e altruísmo dos monçanenses e garantindo a defesa da terra com unhas e dentes.
Manuel Lages, representante da Assembleia Municipal sublinhou, no seu discurso, que é um orgulho viver em Monção - uma terra pequena territorialmente, mas grande e rica em personalidades, com muitas e excelentes associações e empresas e uma população dinâmica.

‘Revolução’ à porta promete transformar por completo casco urbano monçanense

“Será uma verdadeira revolução no nosso casco histórico” de Monção, garante António Barbosa, presidente da Câmara Municipal de Monção. O autarca anunciou, ontem, “uma mão cheia de projectos”, que vão ser levados a cabo ao longo dos próximos quatro/cinco anos, estimando-se um investimento de mais de cinco milhões de euros na “modernização e atractividade” do centro urbano monçanense. Tudo para “voltar a colocar Monção no mapa”.
António Barbosa prepara-se para levar avante o seu plano para tornar a vila termal, vinhateira e hospitaleira “mais atractiva”, quer para quem vive nela, quer para quem a visita. No desenho desta nova centralidade modernizada que se pretende para Monção, a questão da mobilidade foi uma prioridade, assim indicou o autarca.

O plano de intervenção no centro histórico de Monção comtempla várias intervenções do ponto de vista urbanístico em várias ruas e praças instaladas no centro histórico de Monção, que serão alvo de uma profunda requalificação, desde a Praça da República à Rua da Independência, Rua Eng.º Duarte Pacheco, Paços do Concelho, entre outras.
“É uma revolução no nosso casco histórico, no sentido de lhe darmos efectivamente uma imagem mais moderna e que seja, por si só, uma forma de nós conseguirmos atrair mais pessoas”, apontou o presidente da Câmara Municipal de Monção.

“Os centros históricos são o cartão-de-visita dos nossos territórios, trata-se de um portão de entrada e quem nos visita gosta, mas é também preciso dar-lhes um toque de modernidade, e dessa forma, aumentar também a sua capacidade de atractividade, para que as pessoas que nos visitem fiquem cá e tenham vontade de voltar”, indicou o edil Antóno Barbosa.
Os vários projectos previstos para esta profunda intervenção no centro monçanense vão iniciando paulatinamente entre os próximos meses de Junho e Setembro. “São muitos investimentos no nosso casco urbano - que já merecia uma intervenção desta envergadura”.

O presidente da Câmara de Monção diz que esta grande intervenção no centro histórico vai servir também para dinamizar o próprio comércio tradicional, dando-lhe uma nova imagem e nova capacidade de atracção.
“Os prémios que atribuímos hoje às empresas locais são também o reconhecimento da importância que damos ao comércio local, com quem temos estado na dinamização de várias acções em seu benefício como aconteceu no Natal e Carnaval”, frisou o edil monçanense, indicando, aliás, que as receitas resultantes dos parquímetros instalados revertem na totalidade para acções de promoção do comércio local.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.