Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos
Maioria e CDU unidas contra descentralização coerciva

Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos

Empresas mostram têxtil inovador na maior feira mundial

Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos

Cávado

2019-12-07 às 06h00

Redacção Redacção

Marta Temido, ministra da Saúde, não se comprometeu, ontem, com o pedido do presidente da Câmara Muicipal de Barcelos para que o governo inscrevesse o Hopistal de Barcelos no próximo Orçamento de Estado de 2020.

O presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, pediu, ontem, à ministra da Saúde, que inscrevesse o Hospital de Barcelos no próximo Orçamento de Estado para 2020, considerando-a “uma necessidade” para responder não só aos barcelenses, mas a toda a população que recebe diariamente. Marta Temido respondeu que é tudo “uma questão de prioridades”.
O pedido do autarca de Barcelos à ministra da Saúde foi feito durante a abertura do I Congresso Internacional Recovery Portugal, organizado pela Associação Recovery Portugal, sedeada em Barcelos.
“Na Câmara Municipal estamos definitivamente prontos para fazer a parte que nos corresponde”, garantiu o autarca barcelense, apontando para a possibilidade de “num novo governo” e “num novo orçamento” o projecto do novo Hospital de Barcelos pudesse ser concretizado, até porque este é já o seu último mandato e é uma obra que, pelo menos, gostaria de ver arrancada.
O presidente da Câmara de Barcelos pediu à ministra da Saúde para inscrever seis ou sete milhões de euros no OE de 2020 para que o novo Hospital pudesse ser iniciada, alertando para as “condições limitadas” em que trabalham os profissionais de saúde actualmente. “Sentir-me-ia muito feliz que o Hospital de Barcelos tivesse início antes de acabar o mandato”, disse Miguel Costa Gomes, sensibilizando a governante.
Mas em resposta ao autarca barcelense, Marta Temido disse que é preciso ver “onde é que os portugueses e portuguesas consideram prioritário pôr os seis ou sete milhões de euros”.
“É tudo uma questão das prioridades, não é quer dizer que as escolhas não venham a ser feitas, mas é preciso ver por onde vamos começar o ano de 2020”, disse Marta Temido, indicando que neste momento o OE 2020 está a ser preparado e que não se pronunciaria sobre o documento.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.