Correio do Minho

Braga,

- +
Mercado de trabalho agudizou-se e desemprego volta a subir
João Afonso: “Espero recuperar o mais rápido possível para ajudar dentro de campo”

Mercado de trabalho agudizou-se e desemprego volta a subir

Câmara de Braga inicia testagem a colaboradores das PME’s do Concelho

Mercado de trabalho agudizou-se e desemprego volta a subir

Economia

2021-05-10 às 06h00

Paula Maia Paula Maia

Janeiro e Fevereiro voltam a registar um aumento do número de desempregados resultado da restritividade social e económica. Braga registou aumento de 10,1% entre Dezembro e Fevereiro.

Após uma redução entre o terceiro e quarto trimestres de 2020, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego da região Norte voltou a registar um crescimento mais acentuado em Janeiro e Fevereiro de 2021, decorrente do agravamento da restritividade social e económica verificada nestes meses. A região registou mais 6,4% dos desempregados que em Dezembro de 2020. Os dados são divulgados pela CCDR-N, no Norte Conjuntura, que faz a avaliação a actividade económica do 4.º trimestre e início de 2021.
Na sub-região do Cávado o número de desempregados aumentou em Janeiro mais 9,1% face a Dezembro. Pese embora a dinâmica negativa, o documento refere que a evolução do mercado de trabalho nesta sub-região ao longo dos últimos 12 meses está a ser ligeiramente mais resiliente do que a média do Norte. O desemprego no Cávado aumentou em 25,7% entre Fevereiro de 2020 e Fevereiro de 2021, um valor que compara com o aumento de 28,6% na região.

Em Braga, o desemprego aumentou 10,1% entre Dezembro e Fevereiro de 2021.
Na sub-região do Ave o arranque do ano também despoletou uma inversão da tendência de queda, com o desemprego a aumentar mais 3,1% em Fevereiro face a Dezembro de 2020. No cômputo geral de um ano, o desemprego no Ave cresceu 20,6% entre os meses de Fevereiro de 2020 e de 2021, o menor crescimento acumulado entre todas as sub-regiões comparáveis do ponto de vista económico e demográfico. Apenas as NUTS III, onde predominam territórios de baixa densidade - com estruturas de emprego baseadas, essencialmente, no sector primário e emprego público -, observaram um menor crescimento do desemprego durante esse período.

Em Guimarães, o desemprego subiu 2,5% entre Dezembro e Fevereiro. Já em Vila Nova de Famalicão, a subida foi de 6,2%.
No Alto Minho, a subida do desemprego em Fevereiro de 2021 foi de 7,3% face ao mês de Dezembro anterior. O número de desempregados em Fevereiro de 2021 era superior em 46,1% ao Fevereiro de 2020, o que representou o maior crescimento entre todas as NUTS III do Norte.
Em Viana do Castelo, o concelho mais populoso desta sub-região, o número de desempregados subiu 12,4%.

Indicadores demonstram situação “incomportável” do sector

A crise pandémica provocou um impacto muito negativo na região e ainda não existem sinais claros de uma melhoria da conjuntura. As quedas nos indicadores do último trimestre de 2020 foram mais acentuadas do que as da média do ano, sendo que esta evolução negativa não se deveu a qualquer efeito da sazonalidade, mas antes do agravamento efectivo do contexto económico e das novas medidas de controlo da doença.
O número de hóspedes nos estabelecimentos do Norte diminuiu 66,4% no 4.º trimestre de 2020 face ao período homólogo de 2019.
Os restantes indicadores mostram quedas homólogas bastante elevadas no Norte e reveladoras da situação incomportável do sector.
No 4.º trimestre, as dormidas, os proveitos totais e os proveitos de aposento nos estabelecimentos da região diminuiram 68,7%, 72,8% e 73,7%, respectivamente.
Em todo o caso, revelam os dados, a evolução do turismo na região Norte no 4.º trimestre foi ligeiramente menos negativa do que a nacional.
A procura interna continuou a suplantar a procura externa.

Layoff evita maior descalabro a Norte
A taxa de desemprego do Norte diminuiu para 7% no 4.º trimestre de 2020, situando-se, ligeiramente, abaixo do valor nacional (7,1%). Segundo o relatório, a queda deste indicador resultou de uma diminuição do número de desempregados para 130.700, menos 0,4% face ao período homólogo de 2019, indicando que a evolução da taxa tem que “ser lida com cautela” porque não reflecte a conjuntura da economia do Norte num quadro em que 328 67 trabalhadores estavam em layoff no 4.º trimestre de 2020. “A amplitude das medidas de apoio estão a evitar que a taxa de desemprego no Norte se situe perto doa 25%”, lê-se no documento.

Taxa de desemprego jovem das mais elevadas
O documento revela ainda que a taxa de desemprego nos trabalhadores mais jovens do Norte continua a ser das mais elevadas. Nos indivíduos com idade entre os 15 e os 24 anos, a taxa situou-se em 20,8% no 4.º trimestre de 2020, um valor inferior ao do trimestre precedente (24,3%). No entanto, a redução não resultou da criação líquida de postos de trabalho, mas do aumento de inactivos jovens que desistiram de procurar emprego num quadro em que diminuiu a probabilidade de o obter.

Desemprego é menor nos níveis de escolaridade mais altos
As taxas de desemprego por nível de escolaridade registaram evoluções assimétricas no 4.º trimestre: os trabalhadores com o secundário e pós secundário viram a taxa aumentar para 9%, enquanto que os trabalhadores com o ensino superior e com o ensino até ao 3.º ciclo básico assistiram a uma redução da taxa de desemprego para 6,7% e 5,9%, respectivamente.

Dezembro não chegou para salvar o ano
Apesar de no mês de Dezembro se ter observado uma ligeira melhoria face ao mês anterior, o turismo no Norte continua com indicadores muito negativos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho