Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Memorial presta tributo aos heróis povoenses na guerra
“Portugal só depende de si para seguir em frente”

Memorial presta tributo aos heróis povoenses na guerra

Barroselas inaugura novo campo de futebol sintético

Memorial presta tributo aos heróis povoenses na guerra

Cávado

2021-06-11 às 06h00

Lurdes Marques Lurdes Marques

Na guerra do Ultramar, entre 1961 e 1975, 24 povoenses perderam a vida. O nome dos heróis povoenses está perpetuado num memorial inaugurado no dia de Portugal.

O nome dos 24 povoenses falecidos em combate na Guerra do Ultramar está perpetuado num memorial inaugurado, ontem, na zona do Pontido, numa iniciativa que envolveu antigos combatentes do concelho e a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.
Armando Rodrigues, escultor povoense, passou para a pedra muitas das memórias e sentimentos que preenchem o coração dos antigos combatentes do concelho. No obelisco, de forma prismática, estão gravados os nomes, freguesia e data de morte dos 24 heróis povoenses.

“Na guerra que travámos na Guiné, em Angola e em Moçambique entre 1961 e 1975, lutaram cerca de um milhão de jovens portugueses, dos quais quarenta mil ficaram com mazelas físicas e psíquicas que os impossibilitaram e aos seus familiares mais próximos de terem uma vida normal. Dez mil morreram em combate. Destes, vinte e quatro tinham nascido neste concelho. São estes os heróis povoenses que hoje aqui homenageamos, deixando um testemunho inapagável para os vindouros: este magnífico memorial que os evoca. Nós, os sobreviventes de mais uma campanha militar em África que não éramos militares profissionais, fomos, terminada a guerra, descartados sem qualquer tipo de reconhecimento institucional. Sem apoio médico e medicamentoso especializado, nem qualquer tipo de apoio social que reconhecesse e compensasse o nosso sacrifício”, referiu o Capitão António Carvalho, porta-voz dos combatentes do concelho, agradecendo à Câmara Municipal pela concretização do sonho dos antigos combatentes.

“O que estamos hoje aqui a testemunhar é um acto de justiça. Um momento singelo mas carregado de simbolismo. Eternizar neste monumento aqueles que partiram ao serviço da sua pátria é um contributo para agradecer e destacar a grandeza destes homens. Quando no início do mandato fui contactado por um grupo de povoenses que pretendiam concretizar este objectivo, eu disse de imediato que estava de acordo. E estava de acordo porque faz todo sentido que a nossa terra preste homenagem aos povoenses que muito jovens morreram para defender o nosso país. Por isso, meus caros familiares e amigos dos povoenses que partiram, bem como a todos os militares que estiveram a servir Portugal, quero dizer-vos que é com enorme sentimento de gratidão que a autarquia se envolveu nesta justa homenagem”, referiu o presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Avelino Silva.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho