Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Maximinos, Sé e Cividade "enterra machados de guerra" e elege executivo
Escola Básica do Facho - Apúlia vence ‘No poupar é que está o ganho’

Maximinos, Sé e Cividade "enterra machados de guerra" e elege executivo

Feira Afonsina Arranca Hoje em Guimarães

Braga

2018-02-21 às 01h05

Isabel Vilhena

Cinco meses após as eleições autárquicas, do dia 1 de Outubro, foi ontem eleito o novo órgão executivo de Maximinos, Sé e Cividade para o novo mandato autárquico.

Saiu fumo branco da Assembleia de Freguesia de Maximinos, Sé e Cividade. Cinco meses depois das eleições autárquicas, foi ontem eleito o novo órgão executivo para o novo mandato autárquico.
O executivo passa a ser composto por Luís Pedroso como presidente da junta; João Seco Magalhães, do movimento independente Servir Maximinos, Sé e Cividade como Secretário; António Fernandes, do PS, assume o lugar de tesoureiro e como vogais Manuel Jorge Pereira da Coligação Juntos por Braga e Sebastião Carmo do movimento independente.
Para a Mesa da Assembleia foi eleito Fernando Almeida, da Coligação Juntos por Braga para a presidência, Cláudia Tavares do movimento independente e Cristiana Silva do PS.

No final da assembleia, Luís Pedroso disse ao Correio do Minho que quando a Coligação Juntos por Braga partiu para esta solução foi no sentido de se pousar todos os machados de guerra. Este acordo foi feito de modo a que haja bom senso. A partir de agora é começar a trabalhar a todo o vapor, garantiu.
Por seu turno, João Seco Magalhães lamenta que esta situação se tenha arrastado tanto tempo, assegurando que não foi por vontade do movimento Servir Maximinos, Sé e Cividade. Estivemos sempre de braços abertos à negociação, sublinhando que agora é preciso arregaçar as mangas, mas tudo depende não só deste executivo, mas também do executivo municipal.

De salientar que a União de Freguesias de Maximinos, Sé e Cividade encontrava-se em gestão corrente depois da Assembleia de Freguesia ter chumbado a lista candidata ao executivo autárquico apresentada pelo presidente eleito, Luís Pedroso.
O impasse criado numa das maiores autarquias do concelho de Braga foi o resultado da falta de entendimento entre as candidaturas Juntos por Braga, Servir Maximinos, Sé e Cividade e do Partido Socialista, após a vitória, por maioria relativa da primeira.
Juntos por Braga ganhou as últimas eleições autárquicas com 2 309 votos (32,42 %), cinco mandatos na Assembleia de Freguesia e a presidência da Junta.

A lista independente Servir Maximinos, Sé e Cividade, liderada pelo ex-presidente da Junta de Freguesia de Maximinos, João Magalhães, obteve 1 934 votos ( 27,16%) e quatro mandatos.
A candidatura do PS foi a terceira mais votada com 1 472 votos (20,67%) e três mandatos, tendo a CDU eleito um elemento para a Assembleia de Freguesia, resultado dos 610 (8,17%) votos obtidos nas eleições autárquicas de 1 de Outubro.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.