Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Marido nega atropelamento
‘Energizarte’ instala arte em Crespos e Pousada

Marido nega atropelamento

Jhonata Robert chega por empréstimo ao Famalicão

Marido nega atropelamento

Casos do Dia

2010-04-03 às 06h00

Luís Fernandes Luís Fernandes

O cidadão da Póvoa de Lanhoso acusado de ter atropelado a sua ex-mulher, há uma semana em Moure, apresentou-nos a sua versão dos factos. O “leve atropelamento” foi “sem intenção”. Aliás, a “senhora já se tinha tentado atirar para cima do carro” — disse!

Fernando Borges espera “que que a verdade venha ao de cima, e que se pare com mentiras infundadas”. Desde o passado domingo que tem sido apontado como presumível autor de um caso de atropelamento voluntário, em que a vítima, de 35 anos, é a sua ex-mulher. O pro-cesso de divórcio do casal é litigioso.

A notícia do atropelamento em Moure, publicada na edição do Correio do Minho da passada segunda-feira tem sido matéria de discussão pública. O caso ultrapassou as fronteiras do concelho da Póvoa de Lanhoso e ganhou uma quase inesperada dimensão nacional, abordado pelas televisões.
Fernando Borges contactou-nos para apresentar a sua versão do que se passou em Moure. Ele está separado de sua mulher, “de facto”, desde 13 de Novembro de 2009.
“No domingo, dia 28 de Março, por volta das 15 horas, tendo eu saído da casa do meu pai e acompanhado do mesmo, dirigiamo-nos em direcção a Braga, quando passamos em frente à anterior residência nossa enquanto casal e da minha ex-esposa que, desde a separação, a habitou até esta altura, sendo que esta também já não habita na mesma, tendo estado ultimanente em fase de mudança para uma outra residência em Braga” — começou por explicar.
“Quando eu ia a passar em frente à casa aonde habitávamos, a referida senhora (ou seja, a sua ex-mulher, Rosa Borges) estava dentro da área da residência junto à garagem. Eu passei e não parei. Mais à frente, a uns 300 metros, deparei com o meu filho na berma da estrada, de bicicleta e com o saco do computador portátil junto de si. Parei quando o vi e pedi que me viesse cum-primentar” — prosseguiu.

“Entretanto, o meu filho, como eu estava de frente para a rua que vinha de casa, largou tudo porque, provavelmente, avistou a mãe que corria desalmadamente em direcção ao meu carro e fugiu por uma rua próxima do largo da freguesia” — acrescentou.
Diz ter esperado pelo filho e quando este reapareceu já a mãe do miúdo de 10 anos se encontrava junto do seu carro.
“Eu, entretanto, saí do carro para cumprimentar o meu filho, e a minha ex-esposa começou a insultar-me do pior que pode haver”.
Insultos que ofenderam a sua honra e dignidade, que optamos por os não reproduzir e que foram, segundo Fernando Borges, também extensivos ao seu pai.

Fugiu para evitar desacatos
Fernando Borges acusa a sua ex-mulher de, na altura dos factos acima descritos, ter empurrado o filho menor de ambos quando este tentava aproximar-se dele. Ela acabou por o atirar ao chão.
“Entretanto, quando estava a fazer inversão de marcha, a senhora fez-se ao carro, enquanto o meu filho se dirigiu para a sua bicileta. E aí, sem intenção do contrário, aconteceu o leve atropelamento. Isto já podia ter acontecido a uns 20 metros desse mesmo local, numa outra ocasião, em que a respectiva senhora já se tinha tentado atirar para cima do carro; no momento deste triste incidente ninguém se encontrava presente. Mas, posteriormente, apareceram alguns populares que, de imediato se aproximaram da senhora” — recordou.
Fernando Borges sublinha que foi “por precaução e para evitar presumíveis desacatos” que abandonou o local”.
Não foi, pois, para se pôr em fuga como o acusaram porque “não tenho nada a temer”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho