Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Marcelo alerta para riscos de clima eleitoral extenso
Guimarães apresenta exemplo de sucesso na Unidade de Apoio ao Alto Rendimento na Escola

Marcelo alerta para riscos de clima eleitoral extenso

Ministra da Cultura inaugura primeira exposição de 2019 no Forum Arte Braga

Nacional

2018-12-26 às 14h32

Redacção

Na sua mensagem de natal, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou ontem para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso “não perder a coesão social”. Primeiras eleições são daqui a cinco meses, as europeias.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou ontem para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso “não perder a coesão social”.
“Estamos a cinco meses das primeiras eleições. Começou muito cedo a campanha eleitoral [para as europeias]. Que não se perca a coesão social, que é o mais importante, e, depois, que se separe o essencial do acessório”, disse o Presidente da República.
O chefe de Estado falava aos jornalistas à entrada para um almoço de Natal com quatro famílias luso-venezuelanas que estão a viver actualmente em Estarreja, no distrito de Aveiro.
“O que é essencial é a força da democracia, é haver condições para a estabilidade, é haver melhores condições económicas, sociais, culturais para os portugueses. Acessório é tudo aquilo que é apenas mera afirmação pessoal ou específica, sectorial”, esclareceu.
Apesar da legitimidade dessa afirmação pessoal, sublinhou, o importante é ter “um Portugal que seja no final de 2019 mais rico, mais justo, mais coeso” do que no final deste ano.
O Presidente da República falou ainda de uma “corrida contra o tempo”, observando que a maioria dos partidos com assento parlamentar já indicou o cabeça de lista, e disse que isso “pode muitas vezes criar um clima eleitoral que vai, porventura, prolongar-se durante todo o ano”.
Para Marcelo, um ano de clima eleitoral significa “um ano em que não se pode perder” aquilo que aproxima as pessoas, “apesar de haver o pluralismo e a diferença e diversidade de opiniões”.
O encontro com as famílias luso-venezuelanas em Estarreja, que contou com a presença do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, serviu para homenagear as comunidades portuguesas e em particular os portugueses que vivem na Venezuela.
“Não esquecemos os que estão em todos os pontos do mundo, mas recordamos os que estão na Venezuela, e que o secretário de Estado e o ministro dos Negócios Estrangeiros têm visitado e acompanhado e permanentemente”, disse o Presidente da República.
Marcelo deixou votos de um bom Natal a todos os portugueses espalhados pelo mundo, lembrando aqueles que vivem situações “muito difíceis” em vários países.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.