Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Marcelo alerta para riscos de clima eleitoral extenso
Projeto Team4school leva jovens a conhecer tecido empresarial da Póvoa de Lanhoso

Marcelo alerta para riscos de clima eleitoral extenso

Concurso de Bandas Filarmónicas é ‘imagem de marca’ do Concelho de Braga

Nacional

2018-12-26 às 14h32

Redacção

Na sua mensagem de natal, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou ontem para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso “não perder a coesão social”. Primeiras eleições são daqui a cinco meses, as europeias.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou ontem para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso “não perder a coesão social”.
“Estamos a cinco meses das primeiras eleições. Começou muito cedo a campanha eleitoral [para as europeias]. Que não se perca a coesão social, que é o mais importante, e, depois, que se separe o essencial do acessório”, disse o Presidente da República.
O chefe de Estado falava aos jornalistas à entrada para um almoço de Natal com quatro famílias luso-venezuelanas que estão a viver actualmente em Estarreja, no distrito de Aveiro.
“O que é essencial é a força da democracia, é haver condições para a estabilidade, é haver melhores condições económicas, sociais, culturais para os portugueses. Acessório é tudo aquilo que é apenas mera afirmação pessoal ou específica, sectorial”, esclareceu.
Apesar da legitimidade dessa afirmação pessoal, sublinhou, o importante é ter “um Portugal que seja no final de 2019 mais rico, mais justo, mais coeso” do que no final deste ano.
O Presidente da República falou ainda de uma “corrida contra o tempo”, observando que a maioria dos partidos com assento parlamentar já indicou o cabeça de lista, e disse que isso “pode muitas vezes criar um clima eleitoral que vai, porventura, prolongar-se durante todo o ano”.
Para Marcelo, um ano de clima eleitoral significa “um ano em que não se pode perder” aquilo que aproxima as pessoas, “apesar de haver o pluralismo e a diferença e diversidade de opiniões”.
O encontro com as famílias luso-venezuelanas em Estarreja, que contou com a presença do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, serviu para homenagear as comunidades portuguesas e em particular os portugueses que vivem na Venezuela.
“Não esquecemos os que estão em todos os pontos do mundo, mas recordamos os que estão na Venezuela, e que o secretário de Estado e o ministro dos Negócios Estrangeiros têm visitado e acompanhado e permanentemente”, disse o Presidente da República.
Marcelo deixou votos de um bom Natal a todos os portugueses espalhados pelo mundo, lembrando aqueles que vivem situações “muito difíceis” em vários países.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.