Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo
CIM Alto Minho avalia necessidades na área da saúde

Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo

Caminha: Obras no mercado municipal decorrem a bom ritmo

Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo

Braga

2021-10-22 às 12h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Viola Braguesa é instrumento que o guitarrista de Guimarães explora no projecto ‘Entre Lugar’, em que se propõe homenagear o pai e também “os pais musicais” Paco de Lucia e Zeca Afonso.

‘Rosinha dos Limões’, pela voz de Marco Rodrigues, ou de Zeca Afonso ‘Venham mais Cinco’ em versão instrumental são canções a ouvir hoje à noite no Theatro Circo. O guitarrista Manuel de Oliveira apresenta ao vivo o seu projecto ‘Entre-Lugar’, que foi desenvolvendo durante o tempo de pandemia.
‘EntreLugar’ é uma viagem musical que começou em trio, com João Frade (acordeão) e Sandra Martins (violoncelo). Conta com as participações especiais do fadista Marco Rodrigues, do baterista Marito Marques e das Maria Quê.
É um disco dedicado ao seu pai e mestre, o guitarrista Aprígio Oliveira, mas também —como frisou em declarações que prestou ao Correio do Minho, é também dedicado “aos meus pais musicais que são o Paco de Lucia e o Zeca Afonso”.
Se a ‘Rosinha dos Limões’ e o ‘Venham mais Cinco’ são temas que o público vai identificar, o resto vai ser quase tudo novo, com temas como ‘O Sopro’ (ver destaque à direita) e ‘Nem Ventos nem Madrugadas’, ambos com a voz de Marco Rodrigues. No âmbito instrumental, ‘Neia’ — é um dos temas a ouvir hoje à noite. Embora predominantemente dedicado a apresentar ‘EntreLugar’, no espectáculo de hoje Oliveira deverá também revisitar alguns temas do seu ‘Iberia’ que em breve vai assinalar os 20 anos da sua edição e de ‘Amarte’.
Quando lhe perguntamos se, por actuar quase em casa, espera ver na sala muitos amigos de Guimarães, o guitarrista, que em 2018 voltou à cidade-berço, assume que sim, lembrando que na anterior ocasião em que actuou noTheatro Circo contou com a presença de gente de Guimarães e também de Braga. “Tenho recebido feed-back de gente de Guimarães que me diz que vai estar”, adiantou .
Após ano e meio em que a situação pandémica condicionou, de forma dramática as salas de espectáculo, este é o regresso do contacto de Manuel de Oliveira com o público, apresentando-se ao vivo em Lisboa, no passado dia 19 (no Teatro Maria Matos), seguindo-se, hoje, em Braga, no Theatro Circo e amanhã em , Castelo Branco.
Sobre a braguesa, instrumento que explora neste trabalho, o vimaranense conta-nos que “nunca tinha estudado o instrumento como tinha feito com a guitarra, mas estou até a compor muito com a braguesa”.
O guitarrista conta-nos um episódio curioso: “ofereci ao Carles Benavente (baixista catalão) uma braguesa feita pelo senhor Domingos Machado, de Braga, o Benavent mostrou-a ao Paco de Lucia, que ficou com ela e, no último disco que ele lançou, antes de morrer, tocou a braguesa. Não vem referida nos créditos do disco, porque quando o Paco faleceu não estavam feitos: apenas se referem violas e bandolins; mas sim, foi identificado o som da braguesa construída pelo senhor Domingos Machado, no último disco de Paco de Lucia”.
Ibérico, Manuel de Oliveira entrega às suas composições os reflexos da a alma peninsular que lhe corre nas veias mantendo, contudo, latente, um certo culto intemporal, pelas suas origens e tradições, mas também abrindo-se ao jazz e outras músicas do mundo. Pat Metheny, Al di Meola ou John McLaughlin são músicos que o vimaranense admite apreciar.
Do seu currículo destaca-se a edição internacional do álbum ‘Amarte’ ­ da presença em alguns dos mais importantes festivais europeus - ‘Emociona Jazz!!’ (Espanha) e ‘Couleurs Jazz’ (França), ao lado de nomes como Brad Mehldau, Chick Corea, Mike Stern e Richard Galliano, entre muitos outros.
Manuel de Oliveira concebeu ‘Os Nossos Afectos’, especta?culo da cerimo?nia de abertura da Guimara?es 2012 - Capital Europeia da Cultura, com Cristina Branco, Chico Ce?sar e Ra?o Kyao.
Também criou o tema ‘Nicolinas’, inspirado numa das principais tradições da cidade-berço
O mais recente ‘Ibe?ria Live’, com os conceituados mu?sicos fundadores do Flamenco Jazz - Jorge Pardo e Carles Benavent, esgotou o CCB e Casa da Mu?sica em 2016.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho