Correio do Minho

Braga,

- +
Lojistas e utentes esperam há anos por obras e melhoria de condições
Presidente da Câmara visitou obras em curso em Palmeira de Faro e Curvos

Lojistas e utentes esperam há anos por obras e melhoria de condições

Autarca de Esposende visita obras em curso

Lojistas e utentes esperam há anos por obras e melhoria de condições

Braga

2021-03-04 às 06h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

Há muito tempo que quer os lojistas, quer os utentes, que diariamente trabalham e utilizam o Centro Coordenador de Transportes de Braga aguardam por obras de requalificação, mas reclamam também por mais segurança, iluminação e limpeza.

Há muito tempo que os lojistas e utentes da Central de Camionagem - agora denominado Centro Coordenador de Transportes de Braga - aguardam por obras que melhorem “as condições” do equipamento e dêem “mais dignidade” a um dos pontos centrais de entrada diária de pessoas na cidade, inclusive de turistas, através do serviço ‘Get Bus’, que faz a ligação ao Aeroporto Sá Carneiro.
Não fosse a pandemia de Covid-19, seriam milhares de utentes a entrar e sair da Central todos os dias. Hoje, a maior parte dos lojistas que se encontram no piso térreo estão de portas fechadas, dada a praticamente inexistente clientela, mantendo-se apenas alguns de portas abertas no primeiro piso e as operadoras de transportes, mas também com horários adaptados à menor circulação de passageiros.
Mas lojistas e utentes mostram descontentamento com as condições de um equipamento que consideram crucial para uma cidade como Braga.
Engenheiro mecânico formado na Universidade do Minho, Carlos Fernandes ‘herdou’ do pai a exploração de um snack-bar, restaurante e padaria, que ali está implantado desde 1976 e que ainda há pouco mais de 11 anos recebeu obras de remodelação total, num investimento superior a 300 mil euros.
“Sempre ajudei o meu pai neste negócio e é com muito orgulho que abracei este projecto familiar... E eu fiz obras profundas aqui no meu espaço, mas realmente as condições gerais das instalações desta Central precisam ser melhoradas há muito tempo, sobretudo em termos de WC, pois muitas vezes, eu tenho até que lhes abrir a porta da minha própria casa-de-banho, pois os dois WC que estão ao serviço das pessoas não têm as mínimas condições”, disse o empresário, que reclama por segurança, limpeza e um serviço de informações central que sirva os utentes sobre os horários e transportes. “As obras são muito bem-vindas e necessárias, mas eu também já tenho aqui muito investimento realizado”.
Durante os quase 30 anos que Maria Carneiro, da Póvoa de Lanhoso, usou a Central para as suas deslocações diárias para trabalhar em Braga, o cenário foi quase sempre o mesmo. “Nunca vi grandes diferenças”.
Para Rosa Fernandes, residente em Amares e funcionária do Hospital de Braga, é urgente uma intervenção, “sobretudo em termos de higiene, iluminação e segurança”, lembrando o receio que sentia quando tinha que usar os transportes ao final do dia. “Ao longo dos anos que tenho usado a Central de Camionagem fui apenas uma única vez ao WC e jurei que nunca mais”.
A toxicodependência e outros problemas como os pedidos de esmolas aos passageiros que aguardam pelo seu transporte desagradam a todos.
Também Majid, proprietário de uma loja de telemóveis no primeiro piso há 15 anos, fala da necessidade de “mais segurança” e de melhorar “as condições gerais” da Central de Camionagem, chamando a atenção até para o perigo das escadas de acesso ao serviço de transportes, sobretudo quando chove.
“Não faz sentido uma cidade como Braga, que se quer afirmar pelo Turismo, ter um equipamento importante como este sem as condições que deve ter”.
Afirmações corroboradas também pelo proprietário de um quiosque, que recorda as “muitas injustiças” que ocorrem dentro de portas no período da “privatização”.
“Este equipamento era um no início, mas com o tempo foi-se degradando aos poucos”. Indica que a senhora da limpeza faz o que pode e que deveria haver mais WC disponíveis, até por pagamento, como era antigamente.
“A segurança é algo que deve ser assegurado, porque em caso de assalto, não há ninguém que socorra a vítima, a não ser os próprios lojistas que aqui estão”, afirmou o empresário.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho