Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Ligaram o quadro eléctrico na segunda parte e até fez curto-circuito no fim
Milhares de pessoas em Amares para comer papas e ver passar o Carnaval

Ligaram o quadro eléctrico na segunda parte e até fez curto-circuito no fim

“Festas de S. José são importante momento de afirmação da identidade concelhia”

Ligaram o quadro eléctrico na segunda parte e até fez curto-circuito no fim

Desporto

2020-01-23 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

O Vitória não acertou com a intensidade que o FC Porto imprimiu no primeiro tempo, mas corrigiu tudo após o intervalo. Os conquistadores reentraram fortes, chegaram ao golo mas permitiram que os dragões dessem a volta. Final foi dramático.

Está encontrado o segundo finalista da Taça da Liga. O FC Porto venceu ontem o Vitória SC (1-2) e marcou presença na final do próximo sábado, com o SC Braga.
Os ‘conquistadores’ voltaram a exibir um futebol de qualidade, colocando muitas vezes em causa o presumível domínio dos dragões mas voltaram a falhar no essencial: a definição dos lances. Ivo Vieira já tinha alertado para esse ‘handicap’ dos vimaranenses e referia que ser melhor nesse momento do jogo permitiria ao Vitória ser mais feliz no confronto com os ‘grandes’. A verdade é que isso voltou a acontecer ontem à noite. Depois de se ter colocado em vantagem, a equipa (valha a verdade) teve o azar de sofrer no imediato um golo dos azuis-e-brancos, mas mesmo depois de estar a perder dispôs de algumas oportunidade para alvejar a baliza de Diogo Costa, acabando por perder demsaiado tempo pela vontade de querer adornar demasiado os lances - os chamados ‘rodriguinhos’.
O FC Porto entrou bastante intenso na partida e criou problemas no último reduto vimaranense. Só a terminar a primeira parte é que os vimaranenses conseguiram colocar em sentido Diogo Costa. Contudo, o remate de Davidson saiu ligeiramente por cima.
No segundo tempo, Ivo Vieira corrigiu as limitações que a equipa denotara na primeira parte e os seus pupilos entraram mas determinantes e pressionaram forte na primeira zona de construção dos portistas, que foram acumulando erros até ao momento em que Marcano cometeu penálti, que Tapsoba converteu.
O Vitória nem teve tempo para saborear o golo, já que Alex Telles empatou no minuto seguinte e Soares completou a reviravolta dez minutos depois.
Em cima do apito final, o momento dramático da partida. João Pedro fora lançado no tudo por tudo de Ivo Vieira e no chuveirinho final Diogo Costa não agarrou a bola e o ponta-de-lança vimaranense aproveitou para empurrar a bola para o fundo das redes. Foi a loucura do lado do Vitória SC, mas o futebol moderno apela à calma e, depois de consultar as imagens, avisado pelo VAR, Jorge Sousa anulou o golo. Emoção até ao fim.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.