Correio do Minho

Braga,

- +
“Fora de qualquer presente” marca regresso de Sofia Dias e Vítor Roriz a Guimarães
SC Braga tem de estar ao 'melhor nível' para vencer o Estoril

“Fora de qualquer presente” marca regresso de Sofia Dias e Vítor Roriz a Guimarães

Pedro Gouveia Alves critica gestão do Montepio

“Fora de qualquer presente” marca regresso de Sofia Dias e Vítor Roriz a Guimarães

Vale do Ave

2014-03-17 às 21h06

Redacção Redacção

Duas das figuras mais marcantes da nova geração da dança contemporânea portuguesa apresentam espetáculo a 22 de março no Centro Cultural Vila Flor.

“Fora de qualquer presente” é o nono projeto coreográfico de Sofia Dias e Vítor Roriz, que a 22 de março (sábado), às 22h00, se apresenta no Pequeno Auditório do CCVF. Neste espetáculo, a dupla portuguesa deseja ir para fora - um fora que não é geográfico nem conciliável com a clássica narrativa de um êxodo face à aparente falência do presente.

Aqui, o movimento dá-se noutro sentido. Trata-se de provocar um distanciamento que nos devolva um olhar e que permita, ao mesmo tempo, recolher partes assimétricas e fragmentos supostamente inconciliáveis e forçá-los ao encaixe uns nos outros, de forma a produzir morfologias insólitas, convocar improbabilidades, tendo em conta uma urgente necessidade de multiplicidade.

Sofia Dias e Vítor Roriz têm conquistado nos últimos anos um lugar próprio (e de destaque) na cena da dança contemporânea nacional, vindo a colaborar desde 2006 na pesquisa de vários trabalhos de dança contemporânea, incluindo “Um gesto que não passa de uma ameaça”, com o qual receberam em 2011 o prestigiado prémio Jardin d’Europe, a mais importante distinção para a nova criação de dança contemporânea europeia.

A dupla assume que cada um dos seus espetáculos funciona como um ponto de situação da sua pesquisa, uma síntese do que é possível articular até ao momento específico da sua estreia. No que a “Fora de qualquer presente” diz respeito, os artistas afirmam: “é a ideia de hipertexto que parece apontar novas possibilidades de pesquisa, na medida em que nos permite pensar o espetáculo como uma espiral ininterrupta de ações, interligadas por elementos, a maior parte das vezes periféricos, e pela alternativa que oferece à lógica sequencial e narrativa que tende a limitar a forma como interpretamos a realidade.”.

Ainda sobre esta peça referem: “Esta ideia parece tangente às noções de multiplicidade e simultaneidade que temos vindo a revolver nos últimos espetáculos e que encontramos formuladas, enquanto exercício de liberdade e forma de disciplina mental, em “Memórias de Adriano”, de Marguerite Yourcenar. Esta conceção de exercitação estoica, embora clássica, interessa-nos pela proximidade ao processo criativo, onde a repetição de determinados preceitos ou formas de fazer levam à consolidação de um determinado estado interpretativo e à afirmação de um material performativo.”.

Os seus espetáculos já foram apresentados em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Suíça, Roménia, Bélgica, Inglaterra e Holanda. Para além da sua atividade coreográfica e interpretativa, têm lecionado vários workshops a profissionais e não-profissionais das artes performativas, sendo artistas associados da Materiais Diversos e d’O Espaço do Tempo.

A terminar o dia, pela meia-noite, Mirror People - projeto musical a solo de Rui Maia (X-Wife) - surge com material novo no palco do Café Concerto do CCVF.

Depois da estreia do novo single “Come Over”, no passado mês de fevereiro, Rui Maia apresenta o novo trabalho no Centro Cultural Vila Flor. Ao vivo, este novo registo de Mirror People envolve uma série de sintetizadores analógicos, caixa de ritmos e pedais de efeitos. O teclista dos X-Wife, nesta sua versão mais eletrónica, vê esta abordagem “live” como um caminho para a liberdade: “Na forma como tenho os instrumentos alinhados, posso facilmente improvisar. Criar elementos novos na altura, dependendo da forma como eu e o público estamos a sentir a música.”. O seu trabalho de estúdio envolve já parcerias com nomes como Rowetta dos Happy Mondays e tem recebido excelentes críticas nacionais e internacionais (Mixmag, Djmag, Pete Tong da BBC Radio 1).

Os bilhetes para assistir ao espetáculo “Fora de qualquer presente” encontram-se disponíveis por 7,50 ou 5,00 euros com desconto. Já a presença no concerto de Mirror People terá o custo de 3,00 euros. Os mesmos podem ser adquiridos nos locais habituais: bilheteira do Centro Cultural Vila Flor e da Plataforma das Artes e da Criatividade, bem como em www.ccvf.pt, lojas Fnac, El Corte Inglés, Worten, entre outros locais.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho