Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Katavus e ASPA chamam atenção para a salvaguarda do património
Viana do Castelo lança “clamor social” contra prospecção de lítio

Katavus e ASPA chamam atenção para a salvaguarda do património

Palhinha tinha deixado o aviso e o SC Braga contrariou a história

Katavus e ASPA chamam atenção para a salvaguarda do património

Braga

2015-10-17 às 10h19

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

A Associação Ambiental e Cultural Katavus, juntamente com a associação ASPA , alertou ontem para a urgência em salvar o património de Braga, numa conferência no Museu D. Diogo de Sousa.

A urgência de recuperação do Palácio de D. Chica, em Palmeira, voltou ontem a ser lembrada numa conferência realizada no Museu D. Diogo de Sousa, que analisou a questão ‘Como defender o património classificado?’. Francisco Sande Lemos, especialista na matéria e representante da ASPA - Associação para a Defesa, Estudo e Divulgação do Património Cultural e Natural, deixou a mensagem de que uma das formas de mobilização pode ser feita através da acção popular.

“No caso do Palacete de D. Chica cumpre muitos aos cidadãos, usando por exemplo a sua acção popular, conseguir uma petição para ser apreciada na Assembleia da República para que esta faça recomendações ao governo”, apontou Sande Lemos, indicando que é possível reivindicar por lei ao proprietário do edifício uma intervenção, via justiça.

Etelvina Sá, da Katavus, explicou que a associação tem lutado desde a sua criação pela defesa do património, centrando a sua atenção no palacete de D. Chica.

“Tem sido uma luta bastante difícil porque vamos encontrando sucessivas barreiras de indiferença por um património que está classificado como Monumento de Interesse Público desde 2013”, assinalou, criticando o facto de “o palacete já está em degradação há vários anos, tendo piorado muito quer so nível do parque florestal envolvente, quer do edifício”.

“Recentemente houve uma acção da nossa parte no sentido de chamar a atenção para este problema através de uma petição, que endereçámos à Câmara de Braga e à própria Junta de Freguesia de Palmeira, entretanto tivemos o apoio de algumas forças políticas nesta causa - a Cidadania em Movimento e a CDU - sendo que foi esta que colocou em votação em Assembleia Municipal uma recomendação para apoiar a aquisição pela câmara do palacete - mas que chumbou com os votos contra da coligação ‘Juntos Por Braga’, pois os votos favoráveis da CDU e PS não foram suficientes”.

Etelvina Sá critica que “há uma atitude de grande indiferença para com o património”, referindo que um dos casos “mais gritante” se passou na própria Assembleia de Junta de Freguesia de Palmeira - onde o assunto foi abordado, mas não recolheu apoio dos partidos, apenas indiferença.
“Este debate de hoje sobre a defesa do patrimónoio serve, acima de tudo, para chamar a atenção para a necessidade de se criar um destino contemporâneo que diga algo às pessoas e que proteja estes monumentos pondo-os a funcionar para fins que possam interessar à comunidade. Pensamos que esta é a única forma de possivelmente os preservar”.

Refira-se que ainda esta semana o vereador Altino Bessa ter dito que a câmara municipal não tem “uma solução mágica” para salvar o Palácio de D. Chica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.