Correio do Minho

Braga, quinta-feira

José Manuel Fernandes aponta UE como motor de progresso no mundo
Guimarães apresenta exemplo de sucesso na Unidade de Apoio ao Alto Rendimento na Escola

José Manuel Fernandes aponta UE como motor de progresso no mundo

“Árbitro fraco, sem categoria e, acima de tudo, sem coragem”

Alto Minho

2019-01-13 às 06h00

Redacção

Eurodeputado José Manuel Fernandes defendeu, ontem, num debate com o eurodeputado Francisco Assis e o autarca de Viana, que a União Europeia é “o melhor modelo de desenvolvimento”.

O eurodeputado José Manuel Fernandes defendeu, ontem, a União Europeia como “o melhor modelo de desenvolvimento económico, humanista e social do mundo, sem que isso possa significar que estejam, revolvidos todos os problemas e males da sociedade”.
Para isso, fez questão de realçar um conjunto de “factos” e não opiniões ou estados de alma, como fez questão de frisar numa mesa redonda em Barroselas, Viana do Castelo, que juntou também o eurodeputado Francisco Assis e o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa.

Integrado nas jornadas culturais organizadas pela associação N-Cooltura, o debate sobre ‘Europa: (sempre) na encruzilhada’ evidenciou o papel que a UE tem desempenhado, não apenas no campo económico e comercial, mas também ao nível da defesa e promoção de valores, como a liberdade, a dignidade humana e o ambiente, no resto do mundo.
Contextualizando “os números e os factos” sobre progresso económico e justiça social da UE no mundo, José Manuel Fernandes sublinhou que, além de ser a região que produz mais riqueza no mundo, a União Europeia é também a que garante maior equidade social, solidariedade e combate à pobreza.

“É aqui que se vive melhor no mundo, com mais qualidade, justiça, garantia dos direitos individuais e protecção do ambiente, mas isso não significa que não há ainda muito a trabalhar a fazer e não deixamos de ter problemas e desafios sérios a vencer”, afirmou o eurodeputado do PSD, numa posição que mereceu a unanimidade do painel de intervenientes moderado pelo professor universitário e presidente da Associação Portuguesa de Geógrafos, Rio Fernandes.
O eurodeputado José Manuel Fernandes alertou, contudo, que a União Europeia corre hoje riscos, designadamente de fações nacionalistas, que podem pôr em causa a capacidade de atuar como fator de progresso e desenvolvimento no contexto global.

Nesse sentido, vincou que há desafios que não podem ser superados através do restabelecimento de fronteiras e cada país por si, isoladamente. É o caso do combate às alterações climáticas, ao terrorismo e à evasão fiscal.
José Manuel Fernandes defendeu também a importância d etrabalhar em conjunto para a promoção de valores, nomeadamente da paz, que “cada vez percebemos melhor não pode ser dada como garantida”.
O eurodeputado do PS Francisco Assis realçou a importância dos “factos apresentados que desmentem críticos do modelo de desenvolvimento da Europa”, que tentam tirar partido do crescente nível de qualidade de vida e de exigência dos cidadãos europeus. Chamou a atenção que “não pode ser atribuída culpa à União Europeia por haver países que preferem regimes menos democráticos ou até ditaduras, apesar de ser a UE quem mais faz no mundo para a defesa e a projeção de valores, como a democracia e liberdade, a dignidade humana, a justiça social ou a proteção do ambiente”.

“A União Europeia tem um efeito multiplicador dos seus valores, o que permite que o mundo esteja hoje muito melhor”, defendeu Francisco Assis, denunciando os críticos da Europa, que falsamente acusam a UE de pouco ou nada fazer pelo resto do mundo, ao mesmo tempo que se queixam de a UE impor o seu modelo de desenvolvimento ao recusar fazer acordos comerciais com ditaduras e regimes que não respeitam os valores humanistas e de defesa do ambiente.
Dar “o pontapé de saída para a discussão sobre a Europa através de um debate que cruza as instâncias europeias com o poder autárquico e o cidadão comum” foi o objectivo da iniciativa promovida pela associação N-Cooltura, que envolve o Núcleo Promotor do Auto da Floripes 5 de Agosto e pelas autarquias das freguesias vianenses do Vale do Neiva: Vila de Punhe, Mujães e Barroselas e Carvoeiro.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.