Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Investigadores da UMinho provam papel do microbioma em infecções respiratórias
Caminho Português de Santiago em destaque na celebração do Ano Jacobeu

Investigadores da UMinho provam papel do microbioma em infecções respiratórias

Alunos da Escola Secundária D. Sancho I premiados no Programa Jovens Repórteres para o Ambiente

Investigadores da UMinho provam papel do microbioma em infecções respiratórias

Ensino

2021-07-15 às 07h00

Redacção Redacção

MICROBIOMA previne e prevê. Uma investigação do Instituto das Ciências da Vida de Saúde (ICVS) da Escola de Medicina demonstra, pela primeira vez, o papel do microbioma em infecções respiratórias fúngicas.

Um estudo coordenado por Cristina Cunha, investigadora da Escola de Medicina da UMinho demonstra. pela primeira vez. o papel do microbioma em infeções respiratórias fúngicas, estudando especificamente a aspergilose pulmonar invasiva, infeção fúngica responsável pela morte de mais de 100 mil pessoas por ano em todo o mundo. 
O trabalho da equipa do Instiotitituto de Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Escola de Medicina, publicado na ‘Thorax’, uma das revistas com maior impacto internacional em medicina respiratória e cuidados intensivos, centra-se no papel do microbioma pulmonar
Um microbioma são omunidades de micro-organismos - sobretudo de bactérias, mas também vírus e fungos - existentes no nosso corpo, e ao qual tem sido atribuído um importante papel protector, em várias patologias.
Agora, a equipa de investigadores da Escola de Medicina da Universidade do Minho torna visível o papel que o microbioma pode ter quer a prevenir a doença, quer a prever o prognóstico de cada paciente.
“O estudo do microbioma, quer intestinal quer pulmonar, ganha cada vez mais importância, uma vez que tem sido demonstrado que alterações no microbioma podem modelar a nossa resposta imunitária e a nossa suscetibilidade à doença”, explica Cristina Cunha.
 “O que nós quisemos demonstrar, pela primeira vez, foi que alterações no microbioma são um factor de risco para o desenvolvimento desta doença, da aspergilose pulmonar invasiva. Não só demonstramos que estas alterações estão na base desta suscetibilidade, mas que também somos capazes de identificar o resultado destes doentes. Ou seja, se o doente tem uma diversidade diminuída do microbioma pulmonar quando desenvolve a infevção, a probabilidade deste doente morrer é muito mais elevada”, esclarece a investigadora.
 “As doenças crónicas respiratórias são um problema cada vez maior na nossa sociedade. E as infecções fúngicas oportunistas destacam-se, tendo em conta o número crescente de doentes imunocomprometidos ou em cuidados intensivos. Se pensarmos que as taxas de mortalidade associadas a estas infecções são actualmente superiores a 30%, torna-se ainda mais relevante fazer investigação nesta área, na tentativa de identificar alternativas terapêuticas”, salienta Cristina Cunha.
A equipa coordenada por esta investigadora foi a primeira a conseguir prever o prognóstico de doentes com aspergilose pulmonar invasiva com base em perfis do microbioma pulmonar, demonstrando o papel deste na regulação da resposta imunitária de cada doente.
 O trabalho, agora publicado na ‘Thorax’, teve início em 2018, e foi desenvolvido em colaboração com os hospitais universitários de Leuven na Bélgica, um centro de referência mundial em doenças respiratórias, e o Centro de Supercomputação de Barcelona.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho