Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Inaugurada Casa Mortuária de Montalegre
Caminha assinala os 140 anos da chegada do comboio ao concelho

Inaugurada Casa Mortuária de Montalegre

Fafe quer ser palco mundial de reflexão sobre as grandes causas da Humanidade

Cávado

2017-06-10 às 18h05

Redacção

A sede do concelho passa a dispor, a partir de agora, de uma casa mortuária. Erguida junto ao castelo, o investimento suprime uma lacuna que existia na vila de Montalegre e que era desejo sentido por parte da comunidade. A obra, a ultrapassar os 200 mil euros, recupera um espaço onde existiam dois edifícios, contíguos ao antigo Matadouro, que mostravam evidentes sinais de degradação física. A construção teve o cuidado de manter a traça original ao mesmo tempo que assegurou a integração no casco urbano envolvente.

A sede do concelho passa a dispor, a partir de agora, de uma casa mortuária. Erguida junto ao castelo, o investimento suprime uma lacuna que existia na vila de Montalegre e que era desejo sentido por parte da comunidade. A obra, a ultrapassar os 200 mil euros, recupera um espaço onde existiam dois edifícios, contíguos ao antigo Matadouro, que mostravam evidentes sinais de degradação física. A construção teve o cuidado de manter a traça original ao mesmo tempo que assegurou a integração no casco urbano envolvente.

Um dos itens do programa de celebração do 'Dia do Município' foi apontado à inauguração da casa mortuária de Montalegre. Um local marcado pela modernidade e conforto que surpreendeu pelo excelente aproveitamento da área. O elogio foi unânime. Falamos de uma reivindicação antiga da população que há muito pedia um espaço comunitário com melhores condições de velar os seus entes queridos e respetivas cerimónias religiosas. A bênção do espaço ficou a cargo do padre Victor Pereira, arcipreste e pároco da freguesia. O ato terminou com a assinatura do acordo de transferência de gestão para a junta de freguesia.
 
TEM A PALAVRA
 
Orlando Alves | Presidente da Câmara de Montalegre
«A melhor forma de celebrarmos o 'Dia do Município' é darmos à população aquilo que mais anseia. A casa mortuária era umas das aspirações e até carências da nossa terra. Foi com muito agrado que assinamos o protocolo de transferência para a junta de freguesia a quem cabe, futuramente, fazer a gestão em articulação com os restantes agentes. A obra custou cerca de 300 mil euros. O espaço pode ser dividido em duas salas e é bastante extenso. Desejo que não a possamos utilizar muitas vezes».
 
David Teixeira | Vice-presidente da Câmara de Montalegre
«Este investimento, avultado para o município, era uma reclamação que há muito a população de Montalegre fazia porque não tínhamos um espaço com dignidade. Devido à dimensão da população, muitas vezes tínhamos dois cadáveres para velar e não tínhamos espaço para eles. Muitas vezes foi utilizada a Capela da Misericórdia. Era uma necessidade que hoje se cumpre e que o município e a junta de freguesia trazem como reconhecimento de uma obra obrigatória para esta comunidade». 
 
Fátima Fernandes | Vereadora da educação da Câmara de Montalegre
«Mesmo na morte temos que ter o conforto. Em primeiro lugar, dos nossos amigos e a solidariedade daqueles que nos são próximos. Depois, algum conforto para velarmos os nossos. É isso que procuramos dar. Era uma necessidade sentida há muitos anos e penso que agora está colmatada. Temos uma casa digna, onde nos podemos despedir daqueles que partem e que permanecem sempre nos nossos corações».
 
Fernando Rodrigues | Presidente da Assembleia Municipal
«É um bom investimento e uma obra desejada pelos montalegrenses. Acho que é uma verdadeira surpresa em termos arquitetónicos. Toda a gente se mostrou surpreendida com o aproveitamento que fez. Uma boa integração urbanística, um bom projeto e uma boa obra. Estão de parabéns a junta de freguesia a autarquia».
 
António Morais | Presidente da União de Freguesias de Montalegre e Padroso
«Era uma obra revindicada há vários anos pela população de Montalegre e de extrema necessidade. A Igreja da Misericórdia não tinha as condições necessárias para as pessoas estarem com dignidade. Irá funcionar com diferentes horários, sempre de acordo com a vontade do povo».
 
DADOS
 
Início dos trabalhos - 10 novembro 2016
Valor total da obra - 188.900,46€
Valor total da obra (com IVA - 6%) - 200.234,48€
Financiamento PARU - 159.375,00€
Área de intervenção - 509m2
Área bruta de construção - 401m2
Área de implantação da cobertura ajardinada da casa mortuária - 149m2
Área de implantação da cobertura ajardinada do pátio poente - 88m2
Área de implantação da cobertura pavimentada do pátio-terreiro - 140m2
Uso - serviços fúnebres

*** Nota da C.M. de Montalegre ***

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.