Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Hospital de Braga espera pico da gripe na próxima semana
Manuel Ribeiro vence concurso de Fotografia Ambiental

Hospital de Braga espera pico da gripe na próxima semana

Barcelos: bordados de Crivos de S. Miguel da Carreira obtêm certificação

Braga

2018-01-16 às 06h00

Paula Maia

Fluxo ao Serviço de Urgência tem aumentado nas últimas semanas, mas espera-se que o surto atinga o seu pico nos próximos dias. Unidade bracarense já reforçou as suas equipas.

Embora a afluência às urgências tenha aumentado de forma significativa nas últimas semanas, o director do Serviço de Urgência do Hospital de Braga avançou ontem ao CM que o pico do surto gripal deverá ser atingido na próxima ou nas semanas seguintes. Jorge Teixeira explica que apesar do aumento do fluxo de utentes neste serviço, os tempos de atendimentos são considerados aceitáveis para os doentes mais urgentes, nomeadamente aos quais é atribuída a pulseira de cor amarela.
Os doentes com pulseira verde são os que têm de esperar mais tempo do que o desejado, o que neste momento ronda as três horas. Jorge Teixeira frisa que estes são os utentes que deveriam recorrer, em primeiro lugar, os Cuidados de Saúde Primários, à Linha de Saúde 24 ou ao farmacêutico, evitando a ida ao serviço de urgência.

O dia 8 de Janeiro foi o que registou maior afluência ao Serviço de Urgência, com o registo de 720 doentes, quando a média de utentes é de 575 por dia.
Face ao número de doentes que ao início da tarde de ontem já tinha passado por aquele serviço, o recorde obtido no dia 8 poderá ter sido ultrapassado.
Jorge Teixeira diz que muitos dos casos que chegam à urgência e que estão contabilizados nos números apresentados estão mais relacionados com vírus que afectam as vias respiratórias superiores do que propriamente com gripe e os sintomas que lhe estão associados.

Este ano há mais vírus que estão a criar problemas ao nível das vias aéreas superiores, mas que as pessoas não distinguem, associando-as à gripe, explica o director do Serviço de Urgência, frisando, uma vez mais, a necessidade dos doentes recorrerem, em primeiro lugar, os Cuidados de Saúde Primários, à Linha de Saúde 24 ou à farmácia. Estes serviços poderão encaminhar o doente, caso seja necessário, para o hospital.
Há situações que não justificam a ida à urgência porque acabam por congestionar os serviços, sem ganhos para ninguém, continua o responsável, adiantando que estes casos vão continuar, pelo menos enquanto se mantiveram as baixas temperaturas.

Para responder ao aumento da procura, Jorge Teixeira avança que o Hospital de Braga procedeu ao reforço da equipa médica, de enfermagem e auxiliar. Neste momento temos mais três médicos de primeira linha de atendimento, aos quais se junta um quarto esporadicamente. Temos também mais um técnico de cardiopneumologia afecto à equipa, avança o director de serviço.
De forma a abrir todas as camas possíveis, Jorge Teixeira diz que a unidade bracarense está a dar prioridade às cirurgias de ambulatório, priorizando também as cirurgias mais urgentes, nomeadamente a que estão relacionadas com neoplasias.

O que deve saber sobre a gripe

Como refere o director de Serviço de Urgência do Hospital de Braga, a melhor forma de evitar a gripe é com a vacinação. Ela protege não só da doença como das suas complicações e previne a eliminação de partículas virais evitando a propagação da infecção. Estão presentes sinais de atingimento das vias aéreas superiores e inferiores associados a sinais gerais como febre, dor de cabeça, dores musculares e fraqueza. Embora debilitante a doença é auto limitada na população em geral. Em populações de risco aumenta a mortalidade e morbilidade.


Crianças, idosos e pessoas com doenças crónicas
As complicações atingem principalmente as crianças com menos de 2 anos, os idosos, pessoas com bronquite crónica, asma, doença cardíaca crónica, doença renal crónica, doença hepática crónica, diabetes, doença neurológica crónica, epilepsia, AVC e atraso intelectual. Ainda todos os que fazem imunossupressão, mulheres grávidas ou no pós-parto, doentes com obesidade mórbida e residentes em lares.
O adulto deve procurar o médico se sentir falta de ar, dor ou pressão no tórax ou estômago, desidratação, confusão e vómitos persistentes.
As crianças devem procurar ajuda se, entre outros pontos, tiverem cor azulada, respirarem com dificuldade, não beberem o suficiente, irritação persistente, febre com eritema e se a gripe melhorar e voltar a piorar.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.